Abrir menu principal
A festejar Deos Minino
Vilancete publicado em Villancicos, que se cantaram na Capella Real do Muyto Alto, & Muyto Poderoſo Principe D. Pedro Nosso Senhor nas Matinas, & Feſta do Natal no ano de 1680 (como villancico IV).


A festejar Deos Minino
Madrugou a Primavera
Com huma dança de flores
Primor de toda a beleza.

Todas de gala veſtidas,
Aſſombro da Natureza,
Porque das flores a gala
A flor as mais galas leva.

Taõ pompoza, & taõ bizarra
Cada qual dellas ſe oſtenta
Que cada qual dellas pode,
Ser huma Dama capella.

Chegaraõ com brevidade
E bem ſe conhece a preſſa
Vendoſe que cada huma
Num pè á Lapinha chega.

Feita a adoraçaõ devida
Fazem da fragancia offerta,
E naõ foy muyto cheirarem,
Flores que vinhaõ taõ freſcas.

Logo daõ principio a hum baile,
Que dizerſe bem pudera,
Por ſer no fim da jornada
Que era baile de comedia.

Eſtribillo.

A dança á dança flores
Andai depreſſa,
Porque he Sol o Minino
Que ſe feſteja.

Huma dança de flores
Hoje vos faz a feſta,
Que em flores as mudanças,
Bem ſabeis que ſaõ certas

A Roza que entre todas
Prezume de Princeza
Com a purpura em folha
Vos vem tomar a venia.

Principe de la ſangre
Aquy ſe conſidera,
O cravo que ligeiro
Ja vay tocando a tecla.

A todas vem picando
A traveſſa moſqueta
Eſalta mais que todas
Pois mais que todas trepa.

O Giraſol mil voltas
No ſeu pandeiro acerta,
Que he bem toque as ſoalhas
Quem volta à ſoalheira.

Cada qual dos Gigantes
Por ſua ordem entra
Porque de Deos o corpo,
Hoje aqui ſe feſteja.

Veſtida de mil cores
Huma Tulipa chega,
Dançando peregrina
Por ſer flor eſtrangeira.

A Angelica entoa
Docemente huma letra,
Dizendo a Deos a gloria
E paz a toda a terra.

Eſtribillo.

A dança, &c.