Abrir menu principal
A flor suspiro
por Gonçalves de Magalhães
Poema publicado em Suspiros Poéticos e Saudades.

Eu amo as flores
Que mudamente
Paixões explicam
Que o peito sente.
Amo a saudade;
O amor-perfeito;
Mas o suspiro
Trago no peito.

A fórma esbelta
Termina em ponta,
Como uma lança
Que ao céo remonta.
Assim, minha alma.
Suspiros geras,
Que ferir podem
As mesmas feras.

É sempre triste,
Ensanguentado,
Quer secco morra,
Quer brilhe em prado.
Taes meus suspiros...
Mas não prosigas;
Ninguem se move.
Por mais que digas.