Abrir menu principal

Archivo nobiliarchico brasileiro/Paraná (Visconde com grandeza, Conde e Marquez de)

Archivo nobiliarchico brasileiro
José Smith de Vasconcelos e Rodolfo Smith de Vasconcelos
Paraná (Visconde com grandeza, Conde e Marquez de)


PARANÁ. (Visconde com grandeza, Conde e Marquez de) Honorio Hermeto Carneiro Leão. Nasceu em Jacuhy, Provincia de Minas Geraes, em 11 de Janeiro de 1801.

Falleceu no Rio de Janeiro, em 4 de Setembro de 1857.

Filho do Coronel Nicoláo Netto Carneiro Leão e de sua primeira mulher

D. Joanna Severina Augusta de Lemos.

Casou com D. Maria Henriqueta Carneiro Leão, Dama honoraria de S. M. a Imperatriz.

Estudou humanidades em Minas, partiu para Portugal em 1820 e tomou o gráo de Bacharel em direito pela Universidade de Coimbra, em 1825. Começou a carreira da magistratura como Juiz de Fóra em S. Sebastião em 1826, chegando á Desembargador da Relação de Pernambuco e Conselheiro aposentado do Supremo Tribunal de Justiça.

Foi Deputado á Assembléa Geral na 2ª, 3ª e 4ª legislaturas de 1830 a 1841. Senador pela Provincia de Minas Geraes em 1842. Ministro Plenipotenciario em missão especial no Rio da Prata em 1851. Foi Presidente das Provincias de Pernambuco em 1848, do Rio de Janeiro em 1841. Chamado aos Conselhos da Corôa, foi Ministro da pasta da Justiça no 3º Gabinete de 1832, da Fazenda e Presidente do Conselho no 12º Gabinete de 1853.

Politico e magistrado de grande valor, foi do Conselho de S. Magestade, Conselheiro de Estado, em 1842, membro do Instituto Historico e Geographico Brasileiro desde 1839, Grã-Cruz das Imperiaes Ordens de N. S. de Villa Viçosa de Portugal, de Christo do Brasil, da Aguia Branca da Russia, e da Imperial Ordem do Cruzeiro. Era Grande do Imperio e Provedor da Santa Casa de Misericordia.

BRAZÃO DE ARMAS: Escudo esquartelado: no primeiro, partido de vermelho e azul e sobre elle um leão de oiro rompente de prata; bordadura de oiro carregada de quatro folhas de figueira ao natural acantonadas, e de quatro flôres de liz de azul, em cruz; no segundo, de góles, com uma banda de azul, acoticada de oiro, carregada de tres flôres de mesmo, entre dois carneiros de prata, passantes, armados de oiro; e assim os contrarios. Timbre: o leão do escudo, com uma folha de figueira na testa. Divisa: Cor unum via una. (Brazão passado em 38 de Novembro de 1855. Reg. no Cartorio da Nobreza, Liv. VI, fls. 36).

CORÔA: A de Marquez.

CREAÇÃO DOS TITULOS: Visconde com grandeza por decreto de 36 de Junho de 1852. Conde por decreto de 13 de Outubro de 1853. Marquez por decreto de 2 de Desembro de 1854.