Diferenças entre edições de "Os Lusíadas/I"

228 bytes adicionados ,  00h13min de 8 de janeiro de 2009
m
sem resumo de edição
(faltava uma frase)
m
<poem>
::::1
As armas e os barões [[wikt:assinalados|assinalados]],
Que da ocidental praia [[wikt:Lusitana|Lusitana]],
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da [[wikt:Taprobana|Taprobana]],
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
 
::::3
[[wikt:cessem|Cessem]] do sábio Grego e do Troiano
As navegações grandes que fizeram;
Cale-se de Alexandro e de [[wikt:Trajano|Trajano]]
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre Lusitano,
 
::::4
E vós, [[wikt:Tágides|Tágides]] minhas, pois criado
Tendes em mim um novo engenho ardente,
Se sempre em verso humilde celebrado
 
::::16
Em vós os olhos tem o [[wikt:mouro|Mouro]] frio,
Em quem vê seu exício afigurado;
Só com vos ver o bárbaro Gentio
Mostra o pescoço ao jugo já inclinado;
Tethys[[wikt:Tétis|Tétis]] todo o cerúleo senhorio
Tem para vós por dote aparelhado;
Que afeiçoada ao gesto belo e tenro,
Para que estes meus versos vossos sejam;
E vereis ir cortando o salso argento
Os vossos [[w:Argonautas|Argonautas]], por que vejam
Que são vistos de vós no mar irado,
E costumai-vos já a ser invocado.
::::19
Já no largo Oceano navegavam,
As inquietas ondas [[wikt:apartando|apartando]];
Os ventos brandamente respiravam,
Das [[wikt:naus|naus]] as velas côncavas inchando;
Da branca escuma os mares se mostravam
Cobertos, onde as proas vão cortando
As marítimas águas consagradas,
Que do gado de Próteo[[w:Proteu|Proteu]] são cortadas
 
::::20
O duvidoso mar num lenho leve,
Por vias nunca usadas, não temendo
De Áf ricoÁfrico e Noto a força, a mais se atreve:
Que havendo tanto já que as partes vendo
Onde o dia é comprido e onde breve,
Inclinam seu propósito e [[wikt:porfia|porfia]]
A ver os berços onde nasce o dia.
 
A fama antiga, ou sua, ou fosse estranha.
Altamente lhe dói perder a glória,
De que [[w:Nisa|Nisa]] celebra inda a memória.
 
::::32