A Divina Comédia (Xavier Pinheiro)/grafia atualizada/Paraíso/I: diferenças entre revisões

m
sem resumo de edição
mSem resumo de edição
|obra=[[A Divina Comédia]]
|author_override=por [[Autor:Dante Alighieri|Dante Alighieri]], tradução de [[Autor:José Pedro Xavier Pinheiro|José Pedro Xavier Pinheiro]]
|seção=[[A Divina Comédia/Paraíso|Paraíso]] — Canto I
|anterior=[[A Divina Comédia/Purgatório/XXXIII|Purgatório — Canto XXXIII]]
|posterior=[[A Divina Comédia/Paraíso/II|Canto II]]
|notas=
Sem me escutar, seus lábios se moveram,
 
E disse: — “O teu espírito anda errado
Com falso imaginar: ’starias vendo
O que não vês, se houveras afastado.
“Te enganas, sobre a terra achar-te crendo:
O raio tão veloz do céu não desce,
Como tu que p’ra o céu vais ascendendo.” —
 
Se a dúvida primeira desaparece,
Inda mais outra a mente me escurece.
 
— “Modera-se o meu pasmo” — lhe tornando
Falei — “mas ora muito mais me admira
Como estes corpos leves vou passando.” —
 
Ouvindo, Beatriz terna suspira
De mãe que fala ao filho que delira.
 
— “Conservam” — respondeu-me — “ordem constante
As cousas entre si: esta é a figura
Que o universo ao Senhor faz semelhante.
“De maravilha fora em ti motivo
Não subindo; pois stás de estorvo isento;
Não fica imoto em terra o fogo vivo.” —
 
Disse e os olhos fitou no firmamento.