Diferenças entre edições de "Eu (Augusto dos Anjos, 1912)/Vencido"

92 bytes removidos ,  16h52min de 27 de julho de 2013
m
sem resumo de edição
(Arrumei as estrofes de modo a ficar condizente com o texto original.)
m
{{navegar
|obra={{PAGENAME}}Vencido
|autor=Augusto dos Anjos
}}
 
<poem>
No auge de atordoadora e ávida sanha <br />
Leu tudo, desde o mais prístino mito, <br />
Por exemplo: o do boi Ápis do Egito <br />
Ao velho Niebelungen da Alemanha.<br />
<br />
 
Acometido de uma febre estranha<br />
Sem o escândalo fônico de um grito,<br />
Mergulhou a cabeça no Infinito,<br />
Arrancou os cabelos na montanha!<br />
<br />
 
Desceu depois à gleba mais bastarda, <br />
Pondo a áurea insígnia heráldica da farda <br />
À vontade do vômito plebeu...<br />
<br />
 
E ao vir-lhe o cuspo diário à boca fria<br />
O vencido pensava que cuspia<br />
Na célula infeliz de onde nasceu.<br />
</poem>
''([[Eu (Augusto dos Anjos)|Eu]], 41)''