Diferenças entre edições de "História da Mitologia/XXVIII"

1 byte adicionado ,  14h31min de 5 de abril de 2014
Mas Troia ainda conseguiu resistir, e os gregos começaram a se desesperar e cada vez mais suas forças eram subjugadas, e seguindo um conselho de Ulisses eles decidiram recorrer a um estratagema. Eles fingiram que estavam se preparando para desistir do assédio, e uma parte dos navios foi retirada e escondida atrás de uma ilha nas vizinhanças. Os gregos então, construíram um imenso cavalo de madeira, o qual havia sido criado como uma proposta de paz à deusa Minerva, mas que na verdade estava cheio de homens armados. Os gregos restantes então, dirigiram-se até os seus navios e fingiram partir, como se estivessem indo embora para sempre. Os troianos, vendo que o acampamento estava abandonado e a frota tinha ido embora, concluíram que o inimigo haviam desistido do cerco. Os portões foram então, abertos, e toda a população saiu exultante diante da liberdade, antes proibida, de passar livremente sobre o palco do acampamento abandonado. O imenso cavalo era o principal objeto de curiosidade. Todos ficaram pensando para que serviria ele. Alguns recomendaram que ele fosse levado até a cidade como um troféu, ao passo que outros sentiam medo dele.
 
Como eles hesitavam, Laocoonte, o sacerdote de [[:w:NetunoNeptuno (mitologia)|Netuno]] exclama, "Que loucura é esta, cidadãos? Será que vocês não aprenderam o bastante com a fraude dos gregos para se ficarem prevenidos com eles? De minha parte, tenho receio dos gregos mesmo quando eles oferecem presentes." E assim dizendo, ele jogou sua lança na lateral cavalo. Ao bater, um barulho oco reverberou como um gemido. Ou, talvez o povo pudesse ter acolhido o seu conselho e destruído o cavalo fatal com todo o seu conteúdo, mas nesse exato momento aparece um grupo de pessoas, arrastando alguém que parecia ser um prisioneiro grego. Tomado de terror, o prisioneiro foi levado diante dos líderes, que declararam a ele, e lhe prometeram que a sua vida seria poupada sob a condição de que ele deveria responder com sinceridade às perguntas que lhe seriam feitas. O prisioneiro disse então a eles que era grego, e [https://en.wikipedia.org/wiki/Sinon Sinon] era o seu nome, e que por causa da maldade de Ulisses, ele tinha sido deixado para trás de seus compatriotas que também partiram. Com relação ao cavalo de madeira, ele disse que era uma oferta de felicidades à deusa Minerva, e era tão grande o seu desejo expresso de impedir que a estátua fosse levada para dentro da cidade, pois o profeta [[:w:Calcas|Calcas]] havia dito a eles que se os troianos levassem a estátua para dentro da cidade com toda certeza eles triunfariam sobre os gregos.
 
As palavras do prisioneiro mudaram a maré de sentimentos das pessoas e eles começaram a pensar como poderiam proteger melhor o gigantesco cavalo bem como os augúrios favoráveis associados a ele, quando, de repente, aconteceu um prodígio que não deixou mais margens para a dúvida. Eis que apareceu, avançando sobre o mar, duas imensas serpentes. Elas foram se aproximando da terra, e a multidão fugia em todas as direções. As serpentes avançaram diretamente para o lugar onde Laocoonte estava com seus dois filhos. Elas primeiro atacaram as crianças, se enrolando em torno de seus corpos e exalando um sopro pestilencial diante de suas faces. O pai, na tentativa de resgatá-las, é preso em seguida e envolto pelo abraço da serpente. Ele luta para afastá-las, mas elas vencem os seus esforços e o estrangulam, bem como as crianças, com suas dobras venenosas. Este evento foi interpretado como uma clara indicação do descontentamento dos deuses diante do tratamento irreverente de Laocoonte em relação ao cavalo de madeira, que eles não hesitaram mais em considerar como um objeto sagrado, e se prepararam para levá-lo para a cidade com as devidas homenagens. E isso foi realizado com canções e aclamações de triunfo, e o dia foi encerrado com muita festividade.