Diferenças entre edições de "História da Mitologia/XXIX"

27 bytes adicionados ,  14h32min de 5 de abril de 2014
</poem>
=== [[:w:Cila|Cila]] e [[:w:Caríbdis|Caríbdis]] ===
Ulisses tinha sido avisado por Circe sobre os dois monstros Cila e Caríbdis. Já encontramos Cila na história de [[História da Mitologia/VII#Glauco e Cila|Glauco]], e nos lembramos de que ela fora outrora uma jovem donzela e que tinha sido transformada num monstro com corpos de serpente por Circe. Ela habitava uma caverna no alto de um penhasco, de onde ela tinha o hábito de lançar para fora seus longos pescoços (pois ela tinha seis cabeças), e e em cada uma de suas bocas ela pegava um homem da tripulação de cada navio que passasse ao seu alcance. O outro terror, Caríbdis, era um redemoinho, quase ao nível da água. Três vezes por dia a água se lançava num abismo assustador, e por três vezes era expelida. Qualquer barco que se aproximasse do torvelinho durante o avanço da maré era inevitavelmente engolido, nem [[:w:Neptuno (mitologia)|Netuno]] poderia evitar essa tragédia.
 
Ao aproximar-se do refúgio dos monstros assustadores, Ulisses teve de manter estrita vigilância para encontrá-los. O rugido das águas assim que Caríbdis os engoliu, os alertou à distância, mas Cila de modo algum poderia ser descoberta. Enquanto Ulisses e seus homens assistiam com olhos arregalados o terrível redemoinho, eles não conseguiam manter vigilância ao mesmo tempo contra o ataque de Cila, e o monstro, lançando suas cabeças de serpentes, agarrou seis dos seus homens, e, com guinchados estridentes, levou-os até seu esconderijo. Era a cena mais aterradora que Ulisses já tinha assistido, ver seus amigos sacrificados dessa maneira e ouvi-los gritando, sem sequer poder oferecer-lhes alguma ajuda.