Diferenças entre edições de "O Crime do Padre Amaro/VII"

55 bytes adicionados ,  19h00min de 3 de julho de 2014
sem resumo de edição
|posterior=[[O Crime do Padre Amaro/VIII|Capítulo VIII]]
|notas=
}}[[Categoria:O Crime do Padre Amaro|Capítulo 07]]
}}
==__MATCH__:[[Página:O Crime do Padre Amaro.djvu/133]]==
 
Dias depois o padre Amaro e o cônego Dias tinham ido jantar com o abade da Cortegassa. - Era um velho jovial, muito caridoso, que vivia há trinta anos naquela freguesia e passava por ser o melhor cozinheiro da diocese. Todo o clero das vizinhanças conhecia a sua famosa [[wikt:cabidela|cabidela]] de caça. O abade fazia anos, havia outros convidados - o padre Natário e o padre Brito: o padre Natário era uma criaturinha biliosa, seca, com dois olhos encovados, muito malignos, a pele picada das bexigas e extremamente irritável. Chamavam-lhe o Furão. Era esperto e questionador; tinha fama de ser grande [[wikt:latinista|latinista]], e ter uma lógica de ferro; e dizia-se dele: é uma língua de víbora! Vivia com duas sobrinhas órfãs, declarava-se extremoso por elas, gabava-lhes sempre a virtude, e costumava chamar-lhes as duas rosas do seu canteiro. O padre Brito era o padre mais estúpido e mais forte da diocese; tinha o aspecto, os modos, a forte vida de um robusto [[wikt:beirão|beirão]] que maneja bem o cajado, emborca um almude de vinho, pega alegremente à rabiça do arado, serve de trolha nos arranjos de um [[wikt:alpendre|alpendre]] , e nas sestas quentes de Junho atira brutalmente as raparigas para cima das medas de milho. O senhor chantre, sempre correto nas suas comparações mitológicas, chamava-lhe - o [[w:Leão de Nemeia|leão de Nemeia]].
 
 
No adro lajeado cônegos passeavam, conversando. A botica defronte já tinha luz, os bocais reluziam; e por detrás da balança a figura do farmacêutico Carlos, com o seu boné bordado a miçanga, movia-se majestosamente.
 
[[Categoria:O Crime do Padre Amaro|Capítulo 07]]
3 957

edições