Diferenças entre edições de "O Crime do Padre Amaro/XIII"

54 bytes adicionados ,  20h01min de 3 de julho de 2014
sem resumo de edição
(Importação automática de artigos)
 
 
{{navegar
|obra=[[O Crime do Padre Amaro]]
|posterior=[[O Crime do Padre Amaro/XIV|Capítulo XIV]]
|notas=
}}[[Categoria:O Crime do Padre Amaro|Capítulo 13]]
}}
==__MATCH__:[[Página:O Crime do Padre Amaro.djvu/293]]==
 
João Eduardo, à noitinha, ia sair de casa para a Rua da Misericórdia, levando debaixo do braço um rolo de amostras de papel de parede para Amélia escolher, quando à porta encontrou a Ruça que ia puxar a campainha.
 
 
— Ah! fez o doutor, é uma bela e grande coisa a paixão! O amor é uma das grandes forças da civilização. Bem dirigida levanta um mundo e bastava para nos fazer a revolução moral... - E mudando de tom: - Mas escuta. Olha que isso às vezes não é paixão, não está no coração... O coração é ordinariamente um termo de que nos servimos, por decência, para designar outro órgão. É precisamente esse órgão o único que está interessado, a maior parte das vezes, em questões de sentimento. E nesses casos o desgosto não dura. Adeus, estimo que seja isso!
 
[[Categoria:O Crime do Padre Amaro|Capítulo 13]]
3 957

edições