Diferenças entre edições de "A Bella Madame Vargas/I"

3 213 bytes adicionados ,  18h42min de 15 de setembro de 2014
m
555: match
m
m (555: match)
|notas=
}}[[Categoria:A Bela Madame Vargas|A 01]]
 
==__MATCH__:[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/9]]==
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/9]]==
''O esplêndido terraço da vila de Mme. Vargas. Á direita, avançando sobre o terraço entre grinaldas de rosas e trepadeiras floridas, a fachada da linda casa, com varanda e escadaria. Para essa varanda dão a larga janela e a porta do salão de música. No fundo balaustrada de mármore. Do terraço domina-se um maravilhoso panorama de florestas, deslizando para a baía em baixo, ao fundo. Em baixo os jardins do palacete.''
 
Antônio - A idéia de tomarem chá no terraço c'est três bien.
 
Braz - Pois sim. Desde que te dêem ares e haja palavras estrangeiras, ficas satisfeito. Eu é que não. Estou aqui, estou a deixar isto. Olha que é trabalho. Chá no salão, chá nos quartos, chá no terraço, chá em toda a parte, chá a toda hora...
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/10]]==
Eu é que não. Estou aqui, estou a deixar isto. Olha que é trabalho. Chá no salão, chá nos quartos, chá no terraço, chá em toda a parte, chá a toda hora...
 
Antônio - É a civilização, rapaz...
 
Antônio - C'est très bien. As casas assim, ainda não são as melhores. De repente vem o dinheiro. Olha, eu enquanto houver tapetes, música, chá, comedorias - vou esperando. Ça me vá. Nasci para o luxo.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/11]]==
 
Braz - Palerma!
 
Braz - Que samovar?
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/12]]==
 
D. Maria - O aparelho de chá. Digo-lhe todos os dias a mesma coisa. Ainda não sabe?
 
D. Maria - Dando os últimos toques ao chá.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/13]]==
 
Carlos - Sala cheia, não?
Carlos - Não tinha razão?
 
D. Maria - Não tinha o direito. São coisas tão diferentes a razão e o direito, que o direito foi feito para dar razão a quem não a tem. Você não só tem direito, como não tem razão, nem juízo.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/14]]==
direito foi feito para dar razão a quem não a tem. Você não só tem direito, como não tem razão, nem juízo.
 
Carlos - Má.
 
D. Maria - Apenas comigo esses ares são menos úteis. Seria muito melhor que não tivesse o desejo de prejudicar os outros.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/15]]==
 
Carlos - Está insuportável!
 
Gastão - Fala de prazer.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/16]]==
 
Carlota - Devo estar descabelada, pois não?
 
O grupo sai subindo a escada. Há risos.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/17]]==
 
Depois palmas. A cançoneta continua dentro. E no terraço um momento deserto aparecem o Barão André de Belfort, José Ferreira.
 
José - Maldizente!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/18]]==
 
Belfort - De resto, vamos assim muito bem. A única intimidade possível hoje em dia é fingir que sabemos da vida alheia. Com os amigos escapamos de logros e com os indiferentes nada há que melhor nos coloque. A maioria das pessoas a quem cumprimento não me foi apresentada. Acontece a muitos o mesmo. E é esplêndido. Um homem que trata toda a gente de você e pergunta pela família dos desconhecidos é um tremendo valor. Por isso nós nos tratamos todos por você.
 
Belfort - Jovem lisonjeiro!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/19]]==
 
José - Se entrássemos?
 
José - Oh! Barão! Também?
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/20]]==
 
Belfort - Perdão. Não quero com isso ofender ninguém. Mas conheço Hortência há largos anos e vejo-a sempre vitima de paixões. (Gesto de José) Vítima é o termo, porque as recebeu sempre com a mais glacial indiferença.
José - Duas?
 
Belfort - A do estudante Theotônio Rodrigues, que se precipitou de um pedreira, e a do velho conselheiro Gomide, que tomou lisol.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/21]]==
do velho conselheiro Gomide, que tomou lisol.
 
José - Mas o conselheiro não morreu.
 
Belfort - Aquela da qual ninguém fala. o casamento.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/22]]==
 
José - O barão está sempre a brincar.
José - Oh! Barão!
 
Belfort - Claro. Já viu você desastre maior do que uma pessoa que tem amor por outra? Quando não é a desgraça de ambos, é pelo menos o desastre de um.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/23]]==
Quando não é a desgraça de ambos, é pelo menos o desastre de um.
 
José - Do que ama ou do que é amado?
 
Belfort - Como o sinto diferente, José, desta sociedade!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/24]]==
 
José - Ela então é muito má, para que me admire tanto?
 
José - Como não a compreendem! Hortência é um coração puro, meigo, capaz de amar.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/25]]==
 
Belfort - Muito bem!
José - Parece-lhe extraordinário?
Belfort - Só as coisas sem importância são extraordinárias.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/26]]==
 
José - Não sou como os outros, barão. Há muito tempo guardava em segredo o meu amor. Só depois de pensar muito, declarei-me. E quando pedi a mão de Hortência, ela estava comovida; o seu olhar foi tão profundo, que nunca mais esquecerei esse instante imenso.
 
José - Espero hoje falar a minha mãe. Sou maior, formado como toda a gente, possuidor de uma fortuna não pequena. O casamento será logo que queira Hortência. Procurarei ser apaixonado, mas amigo.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/27]]==
 
Belfort - Será espantoso se realizar essas duas coisas contraditórias - ao mesmo tempo.
José - Em esconder um ato honesto?
 
Belfort - É que ela o julga por demais grave. Que vê o José aqui, em redor do seu amor? Senhoras, meninas, rapazes, a rir e a fletar. Parecem-lhe inofensivos? São perigosíssimos, feitos de desrespeito, de invejas, de egoísmos. É uma sociedade que se forma de aluvião em torno do dinheiro, - que a maioria tem por hipótese. Há gente rica hoje e amanhã sem real continuando a viver como quem tem dinheiro; há damas que caçam o amante como quem caça borboletas e meninas que caçam maridos como quem caça a raposa. Os rapazes, alguns parecem milionários, numa idade em que poderiam jogar a pelota, e outros não tem profissão no momento em que e preciso trabalhar.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/28]]==
que se forma de aluvião em torno do dinheiro, - que a maioria tem por hipótese. Há gente rica hoje e amanhã sem real continuando a viver como quem tem dinheiro; há damas que caçam o amante como quem caça borboletas e meninas que caçam maridos como quem caça a raposa. Os rapazes, alguns parecem milionários, numa idade em que poderiam jogar a pelota, e outros não tem profissão no momento em que e preciso trabalhar.
 
José - E de que vivem?
José - Os outros.
 
Belfort - Do crédito dos que parecem ricos, do nome das famílias, da complacência geral. São esses rapazes encantadores, bem lavados, bem vestidos, bem perfumados, que não renunciam a nenhum prazer devem a todos, e cometeriam crimes para beber champanha nos clubes, fletar, ter amantes, gozar - se não tivessem medo ao código. Toda essa gente acumula despeitos contra os que encontram a felicidade. Hortência defende-se do ataque há muito tempo, a espera do Lohengrin. Tape os ouvidos e fujam.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/29]]==
que não renunciam a nenhum prazer devem a todos, e cometeriam crimes para beber champanha nos clubes, fletar, ter amantes, gozar - se não tivessem medo ao código. Toda essa gente acumula despeitos contra os que encontram a felicidade. Hortência defende-se do ataque há muito tempo, a espera do Lohengrin. Tape os ouvidos e fujam.
 
José - O senhor é fulminante.
José - Entretanto, só agora percebeu.
 
Belfort - É que eu só compreendo logo o que não é possível. Entremos, meu caro José, a conversar com essas damas.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/30]]==
não é possível. Entremos, meu caro José, a conversar com essas damas.
 
Do alto da escada aparece D. Maria. Ouve-se a cançoneta sem compasso.
 
D. Maria - Pois perdeu em não entrar. Fizeram um puzzle tout a fait réussi.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/31]]==
 
José - Quem acertou mais?
 
D. Maria (Rindo) - Onde está o seu juízo barão?
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/32]]==
 
Belfort - No bolso, D. Maria. O juízo traz a gente no bolso para não incomodar os conhecidos.
Guedes - Essas pessoas vão entrando aos poucos, saídas do salão, a conversar com animação. apertos de mão. Beija-mão. Trocam-se as primeiras frases, ao sentarem-se segundo as simpatias. Os dois criados fazem discretamente o serviço. Há nos gestos de Carlos lima permanente inquietação.
 
Madame Vargas - Como vai o meu caro amigo?
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/33]]==
Como vai o meu caro amigo?
 
Belfort - Receoso de perturbar a bela companhia.
 
Belfort - Nunca. A mulher está sempre para aquém da idade.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/34]]==
 
D. Eufrosina - Dr. Ferreira, bons olhos o vejam.
 
Baby - E lucraram muito com isso!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/35]]==
 
Carlos - Eu gostei imenso! Tem até filosofia.
Carlos - Só se cantasse em inglês.
 
Deputado Guedes - -
Deputado Guedes - - Perdão. apesar da invasão das línguas estrangeiras ainda há muita gente que resiste.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/36]]==
Perdão. apesar da invasão das línguas estrangeiras ainda há muita gente que resiste.
 
D. Eufrosina - Sou da mesma opinião.
 
Julieta - Com que então teremos o deputado
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/37]]==
 
Guedes - batendo-se a favor da língua portuguesa na Câmara?
 
Carlos - D. Maria...
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/38]]==
 
D. Maria (baixo) - Deixe de olhar assim Hortência!
 
D. Maria - Você perde a cabeça. Não seja infantil.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/39]]==
 
José - Onde se senta?
Gastão - As aparências enganam.
 
Belfort - Talvez não... O exercício é o esporte que se pratica para a própria higiene. E o esporte é o exercício que se faz para dar que falar da gente. O senhor ao que parece só faz esporte.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/40]]==
dar que falar da gente. O senhor ao que parece só faz esporte.
 
D. Eufrosina - Se esporte é isso, então barão não há quem não seja esportivo agora.
D. Eufrosina - Estes bolos são muitos bons. Como os faz D. Hortência?
 
Madame Vargas - Os bolos? Oh! isso é com a tia Eufrosina.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/41]]==
Os bolos? Oh! isso é com a tia Eufrosina.
 
D. Maria - Mandamo-nos buscar fora.
 
Deputado Guedes - - E um progresso.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/42]]==
 
Carlos - Ou pelo menos um aumento de despesa.
Carlos - Para mudar de xícara; sempre que podem.
 
Carlota - Não me canso nunca de admirar este panorama do terraço de Hortência. Não acha bonito dr. Guedes -?
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/43]]==
panorama do terraço de Hortência. Não acha bonito dr. Guedes -?
 
Deputado Guedes - - Muito. Eu gosto do mar...
Madame Vargas - Mais do que eles, acredite..
 
Belfort - É impossível deixar de ter uma grande paixão pelo mar. Principalmente de terra, o mar é um sugestionador poderoso. Basta olhar para o mar para cair uma pessoa no largo domínio das idéias vagas. E nada mais agradável do que sonhar sentado num rochedo, como os poetas das holografias românticas, ou mesmo na areia como faz a maioria dos contemplativos, no Leme. Um sujeito sem idéias até sem ter tido a idéia de ter idéias, chega a beira da praia, olha o mar e tem logo meia dúzia de pensamentos. É fatal. O mar é um laboratório de imaginação e é por isso que eu explico a superprodução de poetas nacionais pela extensão das costas...
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/44]]==
sem idéias até sem ter tido a idéia de ter idéias, chega a beira da praia, olha o mar e tem logo meia dúzia de pensamentos. É fatal. O mar é um laboratório de imaginação e é por isso que eu explico a superprodução de poetas nacionais pela extensão das costas...
 
Madame Vargas - Tia, manda servir o chá aos que ficaram no salão. (D. Maria vai até a porta do salão).
 
José - Mas o senhor Jesuíno é, segundo me disseram, seu parente afastado.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/45]]==
 
D. Eufrosina - Infelizmente;
 
Madame Vargas - Realmente, um pouco.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/46]]==
 
Belfort - Tenha calma e prudência.
 
Carlos - Estamos a ver por quem se decide o Gastão. Se pela Julieta se pela Baby.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/47]]==
 
Baby - É uma pilhéria sem graça. Nesses casos eu e que decido e por ti é que não me decidiria nunca.
 
D. Maria - Mas as suas inconveniências são sempre interessantes.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/48]]==
 
Belfort - Reputação atroz.
Belfort - Adão! Horas depois tinha uma tal reputação que não fez mais nada digno de nota. E depois de Adão, D. Carlota, a reputação é que nos faz.
 
Deputado Guedes - Não apoiado.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/49]]==
Não apoiado.
 
Carlos - Ninguém concorda com o barão.
 
Gastão - Pelo menos numa coisa o _senhor barão -concordará conosco. Está. uma tarde linda!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/50]]==
 
D. Eufrosina - De fato. Uma beleza. Também esta Tijuco é um encanto.
 
Baby - Como deve ser interessante!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/51]]==
 
D. Eufrosina - Menina!
D. Eufrosina - Menina, não conte isso.
 
Baby - Que tem mamãe, se já passou tanto tempo? D. Jesuina Praxedes com várias outras senhoras nossas amigas teve a idéia de passar uns trotes e de entrar nos clubes e bailes, onde os maridos pintam o sete. Mas precisávamos de um guia e D. Jesuina não queria homem. Então Carlota Pais lembrou a Argentina.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/52]]==
Então Carlota Pais lembrou a Argentina.
 
Carlota - Eu, não!
Belfort - E a Argentina foi?
 
Baby - Foram propor o caso ao palacete que ela
Baby - Foram propor o caso ao palacete que ela habita. Ela custou muito a aceitar. Mas afinal acedeu. Saímos todos de dominó preto fazendo "A Mão Negra". Como nos divertimos! Pois quando uma de nós brincava de mais, a Argentina dizia! ninãs tengan modos! e ferrava-nos um beliscão. Parecia mais uma professora.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/53]]==
habita. Ela custou muito a aceitar. Mas afinal acedeu. Saímos todos de dominó preto fazendo "A Mão Negra". Como nos divertimos! Pois quando uma de nós brincava de mais, a Argentina dizia! ninãs tengan modos! e ferrava-nos um beliscão. Parecia mais uma professora.
 
Guedes - (no riso geral) - Caspité!
 
Madame Vargas - Essa brincadeira tem feito o sucesso da estação.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/54]]==
 
Julieta - E a Argentina?
 
Baby - Eu prefiro descer ao jardim. Gastão acompanha-me.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/55]]==
 
D. Eufrosina - Olha o sereno, minha filha. (Baby e Gastão saem para o jardim).
Carlos - A senhora viu o convite, a provocação com que Hortência? pediu o braço ao dr. Ferreira?
 
D. Maria - Carlos, você é desolador. Leva a contrariar-se, contrariando os outros. Hortência? estava irritadíssima.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/56]]==
é desolador. Leva a contrariar-se, contrariando os outros. Hortência? estava irritadíssima.
 
Carlos - Não era por mim.
D. Maria - Vá-se embora, Carlos. É melhor.
 
Carlos - A senhora sabe tão bem que eu não vou! Não vou enquanto não falar com Hortência. Não me olhe assim. É cá uma coisa.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/57]]==
vou! Não vou enquanto não falar com Hortência. Não me olhe assim. É cá uma coisa.
 
D. Maria - Paixão ou pedido?
Carlos (mais impertinente) - Chamo eu mesmo. Não acha que fica mal?
 
D. Maria - Julgou-o capaz de mais. Vamos ver. (Ao entrar no salão). Ainda não se decidiu esse bridge? (Rumor de dentro. Carlos encosta-se ao balaústre. Um minuto. Depois aparece Mme. Vargas).
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/58]]==
bridge? (Rumor de dentro. Carlos encosta-se ao balaústre. Um minuto. Depois aparece Mme. Vargas).
 
Madame Vargas (para dentro) - descanse, D. Eufrosina. Vou vê-los (Alto) Oh! Senhor Carlos.
 
Madame Vargas - Ora temos. Devemos ter. O ar de censura, a impertinência, a frase de dúvida...
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/59]]==
 
Carlos - Deve ser impressão sua Anda nervosa demais!
 
Madame Vargas - Não me enerves, Carlos. Precisamos de tanta prudência. Tu bem sabes que não deves proceder assim!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/60]]==
 
Carlos - Mas não faço nada, olho quando muito.
Madame Vargas - Mas acreditas que depois desta loucura contigo, eu arrisquei outra loucura?
 
Carlos - Por que
Carlos - Por que não? Nada de ilusões. É a vida. Preciso saber ao justo o grau dos seus
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/61]]==
não? Nada de ilusões. É a vida. Preciso saber ao justo o grau dos seus
 
sentimentos por mim.
 
Madame Vargas - Meu Deus!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/62]]==
 
Carlos - Deploras!
Carlos (Num ímpeto) - tem tão pouca importância o que? O José? Eu? A minha loucura? Talvez tudo isso junto. Ninguém pode adivinhar a intenção das tuas palavras. Continuas a mesma, a fazer sofrer, a torturar, a desgraçar...
 
Madame Vargas - Oh! Não me fales de fazer sofrer! É tempo de acabar com essa legenda. E tu bastas para redimir as maiores faltas!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/63]]==
tempo de acabar com essa legenda. E tu bastas para redimir as maiores faltas!
 
Carlos - Queres dizer que sou eu quem te tortura?
Carlos - Desejo apenas que expliques claramente a situação.
 
Madame Vargas - Que situação?
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/64]]==
Que situação?
 
Carlos - A nossa. Não terás coragem de acabar logo com isso, e dizer francamente: aquele idiota comvém-me, tem dinheiro. Ponha-se fora você!
 
Madame Vargas - Tu?
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/65]]==
 
Carlos - Não é possível que em três meses tenha acabado um amor tão grande. Lembras­te daquele teu bilhete, o único que me escreveste? Já o li tanta vez, que até o decorei. "Espero-o hoje á noite. Deus perdoe a minha loucura. Venha à 1 hora." Essa loucura passou? Não podia ter passado! Nunca mais me escrevestes, mas as loucuras não acabam de repente. E estas cenas que reprovas, que te contrariam, estes ciúmes são do amor que te tenho. É sempre assim quando a gente gosta.
Madame Vargas - Em que sociedade?
 
Carlos - Em todas. Em amor somos sempre os mesmos. Quando a gente ama não há diferenças, não, convence-te. Mas se queres com isso fazer alusões aos clubes, aos meus hábitos antigos, enganas-te. A minha vida de alegria passou. Desde que te amei, nunca mais voltei a esses lugares. Só a ti amo e não quero, não quero que outro te tome. Só por isso, só por isso te chamei, só por isso endoideço.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/66]]==
te. Mas se queres com isso fazer alusões aos clubes, aos meus hábitos antigos, enganas-te. A minha vida de alegria passou. Desde que te amei, nunca mais voltei a esses lugares. Só a ti amo e não quero, não quero que outro te tome. Só por isso, só por isso te chamei, só por isso endoideço.
 
Madame Vargas - Mas tu me falas como se eu fosse qualquer. Tu duvidas de mim. Não te bastou o que fiz por ti?
Carlos - Que queres? Bem procuro conter-me, mas não posso. Sei que não tenho e quanto mais te tenho, mais receio de perder-te.
 
Madame Vargas - E fazes-me sofrer.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/67]]==
E fazes-me sofrer.
 
Carlos - É tua a culpa. Sim. Tratas-me mal, não me vês diante dos outros. Principalmente quando aparece esse moço rico, que aparece agora todos os dias.
Carlos - Duvidas?
 
Madame Vargas -
Madame Vargas - Não, mas reflito. Ignoras por acaso a nossa situação? Sabes tão bem! Não podes casar comigo. Nem queres.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/68]]==
Não, mas reflito. Ignoras por acaso a nossa situação? Sabes tão bem! Não podes casar comigo. Nem queres.
 
Carlos - Tu é que não querias.
Carlos - Estás arrependida do nosso amor, Hortência?
 
Madame Vargas -
Madame Vargas - Tu, insistindo num ponto que conheces, é que me fazes arrepender. Tu é que me apontas o arrependimento.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/69]]==
Tu, insistindo num ponto que conheces, é que me fazes arrepender. Tu é que me apontas o arrependimento.
 
Carlos - Não, não! Faço tudo sem sentir, sem querer. Tens razão, tens muita razão. Perdoa. Não posso casar, porque não tenho nem situação, nem dinheiro. Mas sabes? É instintivo. Quando te vejo com outros, que te cobiçam, que te acham bela, perco a cabeça, desconfio. Sou capaz de tudo.
Carlos - Sim.
 
Madame Vargas - Creio que não vais proibir que eu me case?
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/70]]==
Creio que não vais proibir que eu me case?
 
Carlos (num ímpeto quase alto) - Mas então é verdade tudo quanto desconfio! É verdade que queres o outro, é verdade que me afastas, que me aborreces?
Carlos - Só pela maneira que falas, vejo a tua indiferença.
 
Madame Vargas - Sou indiferente e dei-te o que não dei a nenhum outro homem, e faço conscientemente a loucura de te amar, e recebo-te aqui com risco de perder-me. Sou indiferente e entrego-me dou-me. Eu!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/71]]==
te aqui com risco de perder-me. Sou indiferente e entrego-me dou-me. Eu!
 
Carlos - Hortência!
Carlos - Ainda ontem...
 
Madame Vargas -
Madame Vargas - Ainda ontem. Eu te expliquei claramente. Não há outra solução. Não é possível. O verdadeiro amor é aquele que se sujeita. Diante desse rapaz...
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/72]]==
Ainda ontem. Eu te expliquei claramente. Não há outra solução. Não é possível. O verdadeiro amor é aquele que se sujeita. Diante desse rapaz...
 
Carlos - Não! Não! não me fales nele, ao recordar a nossa noite de ontem. Dou-te razão, aceito a frieza do teu bom senso, faço o que quiseres! Mas não me fales nele.
Carlos - Mesmo que venha ocupar na tua vida um grande lugar?
 
Madame Vargas - Na minha vida só ocupa lugar quem eu amo.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/73]]==
Na minha vida só ocupa lugar quem eu amo.
 
Carlos - E vê tu. Eu sinto que sou covarde, que sou um pobre diabo. Quero reagir, quero ser homem, gritar. E diante de ti não sou mais nada. Hei de fazer o que tu quiseres!...
Madame Vargas - É uma criancice...
 
Carlos - O amor fez-me criança, assim tolo,
Carlos - O amor fez-me criança, assim tolo, assim nervoso. Quero-te tanto porque o meu desejo é muito maior que o teu. Mas consolo-me porque aos outros ainda queres menos.Não? Não? (Aproxima-.se) Dize. Pois não? Ainda agora. Quanta crueldade! Quanta frieza! Quanto bom senso! E enquanto tu falas, eu sinto apenas o desejo, um desejo imenso que aumenta. Estás tão bonita! este teu vestido... Este teu cabelo... Hortência! Perdoa. Escuta. Se hoje fosse como ontem?
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/74]]==
assim nervoso. Quero-te tanto porque o meu desejo é muito maior que o teu. Mas consolo-me porque aos outros ainda queres menos.Não? Não? (Aproxima-.se) Dize. Pois não? Ainda agora. Quanta crueldade! Quanta frieza! Quanto bom senso! E enquanto tu falas, eu sinto apenas o desejo, um desejo imenso que aumenta. Estás tão bonita! este teu vestido... Este teu cabelo... Hortência! Perdoa. Escuta. Se hoje fosse como ontem?
 
Madame Vargas - Oh!
Carlos - Pareço-te muito miserável, não é?
 
Madame Vargas -
Madame Vargas - Não. Sabia que havias de terminar por isso. Há uma semana fazes assim. Há uma semana exiges e me atormentas! Estou fatigadíssima.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/75]]==
Não. Sabia que havias de terminar por isso. Há uma semana fazes assim. Há uma semana exiges e me atormentas! Estou fatigadíssima.
 
Carlos - Mas então está tudo acabado entre nós? Queres deixar-me? Serias tu a primeira mulher que me abandonasse. Não!
Carlos - Quero hoje. Quero ainda hoje. Hortência, concede.
 
Madame Vargas - Como me atormentas, Carlos!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/76]]==
Como me atormentas, Carlos!
 
Carlos - Dize de boa vontade: até logo.
Madame Vargas - Deixa para outro dia! Hoje não.
 
Carlos - Assim por assim, é teu desejo acabar, amar o outro. Vê-se. Não queres, porque já amas outro. Mas eu grito, faço escândalo, e verás depois.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/77]]==
amar o outro. Vê-se. Não queres, porque já amas outro. Mas eu grito, faço escândalo, e verás depois.
 
Madame Vargas - Carlos, por piedade.
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/78]]==
 
Carlos - Dá-me o beijo, então. (Agarra-a).
Carlos (puxando-a) - Mas dá-me duma vez?
 
Madame Vargas (presa, debate-se com horror e medo nos braços do amante) - O que quiseres! O que quiseres! Eu não me pertenço mais. Sou tua. Continua a ser tua!
==[[Página:A Bella Madame Vargas.djvu/79]]==
não me pertenço mais. Sou tua. Continua a ser tua!
 
Carlos (esmagando-lhe a boca num beijo) - Sim, minha!