Diferenças entre edições de "Página:Marános, Teixeira de Pascoaes, 1920.djvu/185"

(→‎!Páginas não revisadas: nova página: XV MARÁNOS E A PRIMAVERA Já três luas passaram, e com elas Dezembro e as frias chuvas; o Janeiro E essas noites de lúcidas estrelas E de luar divinamente...)
 
 
Estado da páginaEstado da página
-
!Páginas não revisadas
+
!Páginas revisadas
Corpo de página (em modo de transclusão):Corpo de página (em modo de transclusão):
Linha 1: Linha 1:
  +
{{c|{{x-larger|XV}}
XV
 
  +
MARÁNOS E A PRIMAVERA
 
  +
três luas passaram, e com elas
 
 
{{larger|MARÁNOS E A PRIMAVERA}}
Dezembro e as frias chuvas; o Janeiro
 
  +
E essas noites de lúcidas estrelas
 
  +
E de luar divinamente claro.
 
  +
{{linha horizontal|4em}}}}
Passara o Fevereiro; e as andorinhas
 
  +
Tinham trazido Março ... As grandes águias,
 
  +
Doidas de luz, pairam, no ar, sósinhas,
 
  +
{{Bloco centro/c}}
Fitando de alto a terra . . . E a branca neve,
 
 
tres luas passaram, e com elas<br />
Indiferente e fria em seu alvor,
 
 
Dezembro e as frias chuvas; o Janeiro<br />
Por milagre do sol resuscitado,
 
 
E essas noites de lucidas estrelas<br />
Acorda para a vida e para o amor
 
 
E de luar divinamente claro.<br />
Em cascatas de risos e de lagrimas.
 
 
Passára o Fevereiro; e as andorinhas<br />
Vae-se a humidade em névoa; foge a sombra;
 
 
Tinham trazido Março ... As grandes aguias,<br />
Nasce a canção e o beijo . . . Que alegria
 
 
Doidas de luz, pairam, no ar, sósinhas,<br />
De saudável mulher adolescente,
 
 
Fitando de alto a terra ... E a branca neve,<br />
Sorri nas fontes, no ar, na luz do dia !
 
 
Indiferente e fria em seu alvor,<br />
E como os passarinhos ao nascer,
 
 
Por milagre do sol resuscitado,<br />
As árvores já têm penugens verdes,
 
 
Acorda para a vida e para o amôr<br />
Mas ainda tão subtis que deixam ver
 
 
Em cascatas de risos e de lagrimas.<br />
As angulosas formas dos seus ramos.
 
 
Vae-se a humidade em nevoa; foge a sombra;<br />
E da vasta distancia circular,
 
 
Nasce a canção e o beijo ... Que alegria<br />
Vem uma aurora, um halo de verdura,
 
 
De saudavel mulher adolescente,<br />
Como divino incêndio a irradiar
 
 
Sorri nas fontes, no ar, na luz do dia!<br />
Seu radiante viço enverdecido . . .
 
 
E como os passarinhos ao nascer,<br />
E uma embriaguez sagrada e derivante
 
 
As árvores já têm penugens verdes,<br />
 
Mas ainda tão subtis que deixam ver<br />
 
As angulosas formas dos seus ramos.<br />
 
E da vasta distancia circular,<br />
 
Vem uma aurora, um halo de verdura,<br />
 
Como divino incêndio a irradiar<br />
 
Seu radiante viço enverdecido...<br />
 
E uma embriaguez sagrada e derivante<br />