Diferenças entre edições de "Eu (Augusto dos Anjos, 1912)/Ricordanza della mia Gioventú"

m
sem resumo de edição
m
{{navegar
|obra = Ricordanza della mia gioventú
|obra={{PAGENAME}}
|autor = Augusto dos Anjos
|seção =
}}
|anterior =
|posterior =
|notas = {{integra|poema=[[../|''Eu'' (1912)]].}}
|edição_override = {{edição/originais}}
}}{{modernização}}
 
<pages index="Eu (Augusto dos Anjos, 1912).djvu" from=79 to=79 />
A minha ama-de-leite Guilhermina
{{DEFAULTSORT:Ricordanza della mia gioventu}}
 
''([[Categoria:Eu (Augusto dos Anjos, 1912)|Eu]], 32)''
Furtava as moedas que o Doutor me dava.
 
Sinhá-Mocinha, minha Mãe, ralhava...
 
Via naquilo a minha própria ruína!
 
Minha ama, então, hipócrita, afetava
 
Suscetibilidade de menina:
 
"- Não, não fora ela!-" E maldizia a sina,
 
Que ela absolutamente não furtava.
 
Vejo, entretanto, agora, em minha cama,
 
Que a mim somente cabe o furto feito...
 
Tu só furtaste a moeda, o ouro que brilha.
 
Furtaste a moeda só, mas eu, minha ama,
 
Eu furtei mais, porque furtei o peito
 
Que dava leite para a tua filha!
 
''([[Eu (Augusto dos Anjos)|Eu]], 32)''
 
[[Categoria:Pré-Modernismo]]
[[Categoria:Augusto dos Anjos]]
[[Categoria:1912Poesia brasileira]]