Diferenças entre edições de "Eu (Augusto dos Anjos, 1912)/Vozes de um Tumulo"

m
sem resumo de edição
m
{{navegar
|obra = Vozes de um túmulo
|obra={{PAGENAME}}
|autor = Augusto dos Anjos
|seção =
}}
|anterior =
|posterior =
|notas = {{integra|poema=[[../|''Eu'' (1912)]].}}
|edição_override = {{edição/originais}}
}}{{modernização}}
 
<pages index="Eu (Augusto dos Anjos, 1912).djvu" from=81 to=81 />
Morri! E a Terra - a mãe comum - o brilho
{{DEFAULTSORT:Vozes de um tumulo}}
 
''([[Categoria:Eu (Augusto dos Anjos, 1912)|Eu]], 34)''
Destes meus olhos apagou!... Assim
 
Tântalo, aos reais convivas, num festim,
 
Serviu as carnes do seu próprio filho!
 
Por que para este cemitério vim?!
 
Por quê?! Antes da vida o angusto trilho
 
Palmilhasse, do que este que palmilho
 
E que me assombra, porque não tem fim!
 
No ardor do sonho que o fronema exalta
 
Construí de orgulho ênea pirâmide alta...
 
Hoje, porém, que se desmoronou
 
A pirâmide real do meu orgulho,
 
Hoje que arenas sou matéria e entulho
 
Tenho consciência de que nada sou!
 
''([[Eu (Augusto dos Anjos)|Eu]], 34)''
 
[[Categoria:Pré-Modernismo]]
[[Categoria:Augusto dos Anjos]]
[[Categoria:1912Poesia brasileira]]