Diferenças entre edições de "Através do Brasil/LXXV"

3 099 bytes removidos ,  15h08min de 29 de dezembro de 2020
texto trocado por '<pages index="Atravez do Brazil (1923).pdf" from=296 to=299 header=1 /> Categoria:Através do Brasil'
( texto trocado por '<pages index="Atravez do Brazil (1923).pdf" from=296 to=299 header=1 /> Categoria:Através do Brasil')
Etiqueta: Substituição
 
<pages index="Atravez do Brazil (1923).pdf" from=296 to=299 header=1 />
{{navegar
|obra=[[Através do Brasil]]
|author_override=por [[Autor:Olavo Bilac|Olavo Bilac]] e [[Autor:Manuel Bonfim|Manuel Bonfim]]
|seção=LXXV-Prossegue a viagem de Juvêncio
|anterior=[[Através do Brasil/LXXIV|LXXIV-Um velho amigo]]
|posterior=[[Através do Brasil/LXXVI|LXXVI-A vida na Amazônia]]
}}
Na Paraíba, a demora foi curta. O navio deixou mercadorias, recebeu dois viajantes, e continuou o seu rumo.
 
- Tenho pena de não conhecer a Paraíba! - disse Juvêncio ao marinheiro com que se acamaradara. - É pequena, mas bonita. Há a cidade alta e baixa. As igrejas são lindas, há um grande mercado, um bom teatro, um passeio público. A parte baixa, que se chama Varadouro, é o centro comercial. A gente é muito boa, muito afável.
 
No dia da chegada ao Natal havia na cidade uma grande festa. Quase todos desceram. Juvêncio divertiu-se muito.
 
Na hora do embarque, verificou-se que três dos engajados por Gervásio Sena não voltaram. Certamente não puderam resistir às saudades, e fugiram...
 
Este fato irritou o contratador, que dois dias não apareceu quase.
 
Mas, ao chegar à Fortaleza, no Ceará, já era o mesmo homem.
 
- Minha terra! Minha terra! Terra da Luz! - exclamava com ênfase, - fomos nós que fizemos a abolição; fomos os primeiros a não querer escravos em terras brasileiras!
 
Não há propriamente porto em Fortaleza. O vapor ancora em costa aberta; a cidade espalha-se radiante e alegre, numa planície baixa. O mar rebenta forte, e muitos passageiros transportam-se em jangadas.
 
O contratador, que decididamente simpatizara com Juvêncio, fez questão de descer com ele:
 
Há aqui um demora de seis horas; quero fazer-lhe as honras da minha terra!
 
Desceram, e longamente passearam pela cidade, de ruas bem alinhadas, bem edificadas e calçadas; admiraram as estátuas dos generais Tibúrcio e Sampaio; foram, em bonde, ao Outeiro.
 
Já todos estavam afeitos à vida de bordo, e Gervásio tinha os ares de um oficial. É verdade que, depois de tantas viagens feitas por aquela costa, ele a conhecia como um verdadeiro marujo. Por isso, apontando o litoral, ia explicando tudo:
 
- Daqui por diante, a configuração da costa muda completamente; até aqui a linha da terra era regular, agora começam a aparecer entradas e pontas, principalmente neste trecho do Maranhão ao Pará. É um dédalo de baías, enseadas, ilhas, ilhotas, lagos, canais, que mudam de aspecto constantemente de maré a maré. As vagas são violentíssimas, e o mar invade a terra dia a dia, comendo-a. De quando em quando, surge em uma dessas ilhotas um coqueiro isolado, cujo raizame a maré vai corroendo, corroendo, até estendê-lo na costa...
 
A demora no Piauí foi de poucas horas. A cidade não se mostrava quase; era um dia de forte chuva. Ninguém desceu.
 
Gervásio, que conhecia o Piauí, elogiou a terra e o povo:
 
- Há bastante lavoura, e bastante indústria pastoril. A gente é ordeira, e forte, temperante, e capaz de rude labuta e duras provações, - como em geral, toda a gente do Norte. A capital, Teresina, é nova: foi fundada há pouco mais de cinqüenta anos. O porto do mar é Amarração, perto da cidade de Paraíba.
[[Categoria:Através do Brasil]]