Diferenças entre edições de "Pastoral aos crentes do amor e da morte (1923)/Hão de chorar por ella os cinnamomos"

m
sem resumo de edição
m
<pages index="Pastoral aos crentes do amor e da morte (1923).djvu" from=93 to=93 header=1 seção="Hão de chorar por ela os cinamomos" notas="{{Ouça|Hão de chorar por ela os cinamomos.ogg}}" />
{{navegar
|obra = (Hão{{DEFAULTSORT:Hao de chorar por ela os cinamomos)}}
|autor = Alphonsus de Guimaraens
|anterior =
|posterior =
|seção =
|notas ={{Ouça|Hão de chorar por ela os cinamomos.ogg}}
}}
 
<poem>
Hão de chorar por ela os cinamomos,
Murchando as fl ores ao tombar do dia.
Dos laranjais hão de cair os pomos,
Lembrando-se daquela que os colhia.
 
As estrelas dirão: – “Ai! nada somos,
Pois ela se morreu, silente e fria...”
E pondo os olhos nela como pomos,
Hão de chorar a irmã que lhes sorria.
 
A lua, que lhe foi mãe carinhosa,
Que a viu nascer e amar, há de envolvê-la
Entre lírios e pétalas de rosa.
 
Os meus sonhos de amor serão defuntos...
E os arcanjos dirão no azul ao vê-la,
Pensando em mim: – “Por que não vieram juntos?”
</poem>{{semdata}}{{semescolaliterária}}
 
[[Categoria:Alphonsus de Guimaraens]]
[[Categoria:Poesia brasileira]]
[[Categoria:Simbolismo brasileiro]]
[[Categoria:Pastoral aos crentes do amor e da morte (1923)]]