Diferenças entre edições de "Terra de Jecas"

162 bytes removidos ,  01h49min de 6 de abril de 2007
m
removendo imagem a ser eliminada; motivo: apesar de antiga, não é antiga o suficiente para estar em domínio público
(trocando predef, Replaced: {{navegar-desc → {{navegar)
m (removendo imagem a ser eliminada; motivo: apesar de antiga, não é antiga o suficiente para estar em domínio público)
Em breve os conselhos de Sandálio dos Santos a Silvério começaram a produzir resultados e da pequena vila começava a emergir uma cidade. Um a um, os benefícios urbanos foram chegando: distrito policial, vôos do Correio Aéreo Nacional, conquista do posto telefônico até então localizado em Colônia Lopeí, criação da primeira escolinha e da primeira capela religiosa, visitas semestrais do pároco iguaçuense monsenhor Guilherme Maria Thiletzek, nomeação de professores, designação de policiais e uma atuação política exemplar junto ao governo interventorial e à Prefeitura de Foz do Iguaçu, sendo criado, já em 1936, o Patrimônio Municipal de Aparecida dos Portos.
 
[[Imagem:Santos,_Eudes_-_D_Pedro_7.9.73_Gpo_esc_de_Cascavell.jpg|esquerda|]]'''''EUDES, FILHO DE SANDÁLIO, REPRESENTA D. PEDRO EM PARADA DE 7 DE SETEMBRO'''''
 
 
Cascavel, acertadamente, homenageia a memória de Sandálio dos Santos com a denominação de sua Biblioteca Pública Municipal. Homenagem justa a quem amava os livros e exerceu conscientemente a missão de ensinar. A Biblioteca Pública de Cascavel foi criada em 1964 pelo prefeito Octacílio Mion. Quando, em agosto, Sandálio morreu, foi proposto seu nome para a biblioteca, mas quem assinou a lei oficializando a Biblioteca Pública Municipal Sandálio dos Santos foi o prefeito Odilon Reinhardt, em 1965