Diferenças entre edições de "Sermão do Mandato (1655)"

7 116 bytes adicionados ,  16h31min de 27 de fevereiro de 2008
Parte 1
(comecando...)
 
(Parte 1)
 
{{Wikipedia|Sermão do Mandato (1655)}}
 
Concorrendo no mesmo dia o da Encarnação. Ano de [[w:1655|1655]].
 
Pregado na Misericórdia de Lisboa, às 11 da manhã.
 
"''Sciens quia a Deo exivit, et ad Deum vadit: Cum dilexisset suos, in finem dilexit eos''" <ref>"''Sabendo Jesus que saíra de Deus e ia para Deus, como tinha amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim (Jo 13, 1. 3)''".</ref>.
 
== § I ==
 
No ano presente concorrem e se ajuntam no mesmo dia os dois maiores mistérios e os dois maiores dias: o dia da Encarnação do Verbo e o dia da partida do mesmo Verbo Encarnado. O que dizem os dias e o que declaram as noites. A competição do Amor divino consigo mesmo e a justa dos gigantes. Argumento do sermão: foi maior o amor de Cristo no dia da Encarnação ou no dia da partida?
 
 
Grande dia! Grande amor! Depois que o Eterno se fez temporal, também o amor divino tem dias. O evangelista S. João querendo-nos declarar a grandeza e grandezas do mesmo amor neste dia, a primeira coisa que ponderou, com tão alto juízo como o seu, foi ser um dia antes de outro dia: ''Ante diem festum Paschae''<ref>"''Antes do dia da festa da Páscoa (Jo 13, 1)''".</ref>. Tanto pode acrescentar quilates ao amor a reflexão ou circunstância dos dias! E que farei eu? Dois dias hei de combinar também hoje, mas não o dia de antes com o dia de depois, senão o dia de depois com o dia de antes; e não livremente ou por eleição própria e minha, senão por obrigação forçosa dos mesmos dias. Assim como depois de longo círculo de anos se encontram e ajuntam dois planetas a fazer uma conjunção magna, assim no ano presente concorrem e se ajuntam hoje no mesmo dia os dois maiores mistérios e os dois maiores dias: o dia da Encarnação do Verbo, e o dia da partida do mesmo Verbo encarnado. O dia da Encarnação do Verbo: ''Sciens quia a Deo exivit''<ref>"''Sabendo que ele saíra de Deus (Ibid. 3)''"</ref> - que foi o princípio com seu amor para com os homens: ''cum dilexisset suos''<ref>"''Como tinha amado os seus (Ibid. 1)''".</ref> - e a partida do mesmo Verbo encarnado: ''Et ad Deum vadit''<ref>"''E ia para Deus (Ibid. 3)''".</ref> - que foi o fim sem fim do mesmo amor: ''In finem dilexit eos''<ref> "''Amou-os até ao fim (Ibid. 3)''".</ref>.
 
 
0 real profeta Davi, antevendo em espírito estes dois dias, diz que o dia de hoje fala com o dia da Encarnação, e o dia da Encarnação com o dia de hoje, e que ambos se entendem entre si, e se respondem um ao outro: ''Dies diei eructat verbum''<ref>"''Um dia diz uma palavra a outro dia (Sl 18, 3)''"</ref>. Assim explica este famoso texto [[w:Santo Agostinho|Santo Agostinho]]<ref>August. Serm. 22 de Nativit.</ref>. E se perguntarmos que é o que falam estes dias, que devem de ser coisas muito dignas de se ouvir e saber, responde o mesmo Davi que as noites dos mesmos dias nos dirão e declararão o que eles falam: ''Dies diei eructat Verbum, et nox nocti indicat scientiam''<ref>"''Um dia diz uma palavra a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite (Sl 18, 3)''"</ref>. Pois as noites, que são escuras, nos hão de declarar o que dizem os dias? Sim. Porque os mistérios do dia de hoje, e do dia da Encarnação, ambos se celebraram nas noites dos mesmos dias. Tanto silêncio e reverência era devido à majestade de tão divinos mistérios! Os do dia da Encarnação de noite: ''Cum quietum silentium contineret omnia, et nox in suo cursu medium iter haberet''<ref>"''Quando tudo repousava num profundo silêncio, e a noite estava no meio do seu curso (Sab 18, 14)''"</ref> - e os do dia de hoje também de noite: ''Et coena facta''<ref>"''E acabada a ceia (Jo 13, 2)''"</ref>. As luzes a que se há de ver toda esta famosa representação são as da fé; os lugares, um cenáculo grande em Jerusalém, e uma casa humilde, mas real, em Nazaré. E a questão ou problema, qual será? Se foi maior o amor de Cristo no dia da Encarnação ou no dia de hoje.
 
 
Posto, pois, um dia defronte do outro dia, e um mistério à vista de outro mistério, e um amor competindo com outro amor, é certo que nunca o amor divino se viu em mais glorioso teatro, pois sai a competir consigo mesmo. Nas outras comparações do amor divino com o amor dos homens, ou seja com o amor dos irmãos, ou com o amor dos pais, ou com o amor dos filhos, ou com o amor dos esposos, ou com o amor dos amigos - que deve ser o maior de todos ainda que saia vencedor o amor de Cristo, sempre fica agravado na vitória, porque entra afrontado na competência. Só hoje, se vencer, será vencedor glorioso, porque tem competidor igual, e se vencerá a si mesmo. Quando Davi saiu a desafio com o gigante, mediu-lhe o gigante com os olhos a estatura, e, posto que não duvidava da vitória, na desigualdade de tão inferior combatente teve por injuriosa a batalha. Do mesmo modo, e com mais verdade, Cristo. Quando o seu amor se compara com outro amor, compete o gigante com Davi; mas quando se compara o amor de Cristo com o amor do mesmo Cristo, como fazemos hoje, é competir o gigante com o gigante. Assim o disse ou cantou o mesmo Davi: ''Exultavit ut gigas ad currendam viam''<ref>"''Deu saltos como gigante para correr o caminho (Sl 18, 6)''"</ref>. Entrou Cristo na estacada como gigante. E que fez? Justou consigo mesmo. A primeira carreira foi do céu para a terra: ''A summo caelo egressio ejus''<ref>"''A sua saída é desde uma extremidade do céu (Sl 18, 7)''"</ref>; a segunda carreira foi da terra para o céu: ''Et occursus ejus usque ad summum ejus''<ref>"''E corre até à outra extremidade dele (Sl 18, 7)''"</ref>: e neste encontro se cerrou a justa, e se quebraram as lanças um e outro amor. É em verso de Davi o mesmo que diz a prosa do nosso Evangelho. A primeira carreira: A summo caelo egressio ejus - foi no dia da Encarnação, quando o Verbo saiu do Padre: a Deo exivit; a segunda carreira: Et occursus ejus usque ad summum ejus - foi no dia de hoje, quando o mesmo Verbo tornou para o Padre: Et ad Deum vadit. Na primeira carreira, amor: ''Cum dilexisset suos''<ref>"''Como tinha amado os seus (Jo 13, 1)''"</ref>; e na segunda também amor: ''In finem dilexit eos''<ref>"''Amou-os até ao fim (Jo 13, 1)''"</ref>. O dilexisset e o dilexit distingue os dias: o dilexisset declara um amor, e o dilexit outro; mas nem juntos, nem divididos sinalam a vitória, nem resolvem qual foi maior. Esta famosa decisão entre os maiores combatentes que jamais se viram, havemos de ver hoje. Assistir-nos-á com a graça quem foi presente em um e outro dia, e quem teve a maior parte em um e outro mistério, que foi a Mãe do mesmo amor: ''Mater pulchrae dilectionis''<ref>"''Mãe do amor formoso (Eclo 24, 24)''"</ref>. Mas como invocaremos seu favor e patrocínio? Com as mesmas palavras com que também hoje a invocou o anjo: Ave gratia plena.
 
== Notas ==
 
<div class="references-small" {{#if: {{{colwidth|}}}| style="-moz-column-width:{{{colwidth}}}; -webkit-column-width:{{{colwidth}}}; column-width:{{{colwidth}}};" | {{#if: {{{1|}}}| style="-moz-column-count:{{{1}}}; -webkit-column-count:{{{1}}}; column-count:{{{1}}} }};" |}}>
<references /></div>
500

edições