Diferenças entre edições de "Refutação de todas as heresias/I/XX"

118 bytes adicionados ,  13h12min de 10 de agosto de 2008
sem resumo de edição
|posterior=[[Refutação de todas as heresias/I/XXI|I:XXI]]}}
 
E outra opinião dos filósofos foi aquela dos Acadêmicos<ref>Ver Diógenes Laércio, ''Vidas'' X, 63, Bohn' Library; Pltuarco, ''De Placitis Philosophorum'', iv. 3. </ref>, cujo fundador foi Pirro, de quem foram chamados filósofos pirroenos, introduziramsendo primeiroque foram os primeiros a introduzir a noção de incompreensibilidade de todas as coisas, para assim (estarem preparados para) tentaremelaborar um argumento doscom os dois lados da questão, mas paraele afirmarnão afirmam nada certocom certeza; porque não há coisasnada inteligíveiscompreensível ou verdade sensível, mas que elas pareciam aos homens serserem assim; e que todatodas substânciasubstâncias estáestão em um estado de fluxo e mudança, e que nunca continuacontinuam na mesma (condição). Alguns seguidores dos Acadêmicos disseram que ninguém deve declarar uma opinião sobre o princípio de qualquer coisa, mas simplesmente fazer a tentativa disso; enquanto que outros acrescentaram a fórmula “não antesantes”<ref>Diógenes Laércio, ''Lives'', ix. 75; Sextus Empiricus, ''Hypotyp.'', i. 188-192.</ref> (este do que aquele), dizendo que o fogo não é mais do que fogo que ateia fogo a qualquer coisa. Mas eles não declaram o que é, mas que tipo de coisa é essa<ref>Isso é aquilo que os Acadêmicos chamam de "o fenômeno" (Sextus Empiricus, ''Pyrrh. Hyp.'', i. i9-22).</ref>.
 
==Notas==
 
[[Categoria:Refutação de todas as heresias]]
[[en:Ante-Nicene Fathers/Volume V/Hippolytus/The Refutation of All Heresies/Book I/Part 22]]
2 595

edições