Abrir menu principal
O Livro de Esopo por Esopo
XXXIX - O machado e o bosque
Transcrição e Notas de Leite de Vasconcelos. Vid. também As Arvores e o Machado, traduzida por Manuel Mendes da Vidigueira.


XXXIX. [O machado e o bosque]

[C]omta o poeta este enxemplo pera[1] nos amostrar, e diz que hũu machado nom auia manguo, e foy-sse a hũu mato e cortês memte[2] lhe rrogou que lhe desse hũu paao pera hũu mango: /       [Fl. 28B-r.] ho mato lh’o deu de boa mente[3].

Ho vilaão, depoys que pos o manguo ao machado, tornou aa mata e compeçou a talhar das aruores quanto lhe prazia; e fazia-lhe muyto dapno. A mata sse anojaua muyto e dizia:

— Ay mizquynha! ca eu ssom culpada d’este dapno que me este machado faz, ca sse lhe eu nom dera o manguo, ell nom avia poder de me fazer o dapno que me faz! Bem empreguado sseja em mym, ca eu fuy cajom de meu mall e dapno que rreçebo!





Per este emxemplo este doutor nos amostra e diz que nós nom deuemos dar ajuda nem comsselho aos nossos emijgos, porque quanto nossos jmijgos forem mays fortes, tamto averam mayor audaçia ssobre o sseu jmijguo, e dando-lhe ajuda e comsselho, ell medês he cajom de ssua morte ou desonhorra[4].

NotasEditar

  1. No ms. pa, tendo havido esquecimento de cortar o p.
  2. No ms. em separado cortes mente, como transcrevo; hoje cortesmente.
  3. No ms. em separado boa mente.
  4. Sic.