Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/331

ESPUMAS FLUCTUANTES
323

E Deus para o poeta o réu desala.


Sc′nii′a.lo (li? lagrimas ilo prata.
Castho ALVES.

Baixaste á campa, sonhailor, na hora,
Hora melhor da vida e da Poe.sia;
Mergulhaste na Noite eterna e fria,
Todo ensopado do orvalhar da aurora.

A Pátria, — a triste mie que te deplora,
Já nào sorri, ai não! como sorria:
E que futuro amigo promettia
Tua alma brava, esplendida e sonora!

Dorme, porém, feliz e socegado:
O mundo ainda é o mundo gangrenado,
E a dòr que te matou também nos mata

A morte, sim, é o somno immaculado:
€ E Deus para o poeta o céu desata

  • Semeado de lagrimas de prata! o


Luiz Guimaii.\ks Jlnior.