Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/101

XXV

A tarde cahia tristonha, e o ar doente da luz que morria despertava desejos de festas, de dansas, de pandegas.

D. Luzia antes queria ter acompanhado Frederico á cidade.

O latido preguiçoso de um cão perto da porteira annunciou a chegada de Daniel. Fantina sentada no angulo da varanda levantou-se logo que o vio. Estava com saudades delle e recordava-se dos sonhos que tivera durante as longas noites em que suas companheiras cabeceiavam fallando dos caxeiros e do Antonico. Quando Daniel subia a escada D. Luzia disse :

— Pode entrar, seu ingrato. Por onde tem andado tão somido que ninguém lhe põe a pista ?

— Por ahi mesmo, madrinha.

Sob os olhares de D. Luzia nem a mão Daniel dava á Fantina.

— Adeus Fantina, adeus seu Daniel, nisso cifravamse as saudações.

7