Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/117

FANTINA

113

descia emoldurando contornos exuberantes, cheios de carne macia e quente, revolvia na mente idéas de sensualidade canalha.

— Escapará das garras da raposa a débil franga ?—dizia elle em monologo intimo.

Levantou-se do estrado e foi ver o café que pilavam.

A bôa Boza com o abano collocado sobre os joelhos, soprava os grãos á proporção que o engenho tirava as cascas.

— Então, tia Roza, quanto já fez hoje ?

A velha mulata atirou o café do abano dentro do tanho, e concertando o cumbá com um riso de amisade e respeito, respondeu :

— Sinhô não vê que sua negra anda um pouco fraca ? Já se foi o tempo em que dez alqueires passavam por alli n'um dia ;—e mostrava o abano.

— Qual, você ainda está muito forte. Tempo virá em que você hade viver aqui perio n'uma casinha com seu neto João. Elle como meu campeiro e você como minha criada de pintos.

— Ah ! sinhô, quem sou eu ? Sua negra não tem mais esperança dessas coisas.

Frederico viu chegar o momento de lançar uma semente de fé naquelle coração safaro e combalido pelos sóes dos desenganos amargos.

8