Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/82

78

FANTINA

pondi-lhe com uma risada, por isso enfureceu-se. Esta é a causa.

— Inda bem que com a senhora os intrigantes não tiram palhinha.

— De certo.

E limpando muito a garganta continuou a leitura :

« Deu bordoadas em muitos, escararauçou o resto ; apagou as velas de cebo e ficou no escuro com as quatro marchadeiras daquella rua.

Um homem deste jaez não lhe serve porque desmoralisou-se em poucos dias.»

D . Luzia esteve um pouco no ar ; mas os desejos, o amor que sentia pela musculatura athletica de Frederico faziam com que pendesse o seu animo para o amante accusado e se enraivecesse contra o Zé de Deos.

Depois chamou Fantina e perguntou quem fora o portador da carta. D. Luzia sabendo ser Daniel ordenou a Fantina que o mandasse entrar.

—Nhé-nhá está chamando, Daniel.

—Para que Diabo será ?

—Não sei ; ella perguntou-me quem era o portador e eu disse.

—Estão com muita raiva do Zé de Deus ?

—Não. Leram a carta e até riram.

— Pois olha que aquella carta tem coisa !