Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/86

82

FANTINA

cantares do preto que chorava saudades d'alem-mar, e o preludio que o piano já soltava das magneticas notas da Batalha de Marengo, provocavam desejos infindos, azues, no peito de D. Luzia, que suspirava.

Conversaram sobre o casamento e marcaram o dia.

Frederico animado pelo próximo poderio expandiu-se em protestos de fervoroso amor.Seu semblante illuminado pelos fogos de uma alegria san e feliz, promettia a D. Luzia gosos dormentes, de uma animalidade absorvente.

D. Luzia estava como um vampiro saido do ouco de um pau onde estivera preso por dias longos, expiatorios ; ao passo que pela imaginação ardente de Frederico passava a figura alegre, moça e jovial de Fantina, cada vez mais attrahente e arrebatadora. Lá ao longe, n'um horisonte calmo e rosado tremeluzia uma estrellinha de affago e mansidão, que Frederico submetteria ao menor aceno da auctoridade de senhor, que em breve elle seria.