Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/87

XXII

Daniel estirado sobre uma esteira roida que occultava umas taboas carunchosas pensava com receios tetricos no enlace da sua madrinha com Frederico.

Fantina sempre boa, cheia de medos, desde meninos quando brincavam o tempo será e ella não entrava nas furnas que elle abria nos montes de palha ; lhe apparecia com o semblante pisado, os olhos chorosos e o corpo mordido dos herpes das sensualidades brutaes. Chorava diante delle e accusava-o de não tê-la furtado. E elle mordendo os punhos amaldiçoava a religião que o conteve. Depois chovia gritos, ais prolongados, gemidos pungentes, e o estalar do relho dilacerando as carnes que elle desejava morrer mordendo. Ella nas vascas da agonia infamante, que acabrunha, chamava-o ; e elle preso, longe, não a podia salvar. Daniel levantava esfregando os olhos e perguntava á sua velha mãe que cousa seria aquella de estar sonhando acordado. A boa velha com um timãosinho de baeta azul ao hombro, com o fuso cheio