Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/91

XXIII

O grande relógio da sala de jantar marcava onze horas.

D. Luzia no seu escriptorio, onde havia ainda muitos frascos de remedio do tempo do Silva, escrevia cartas aos amigos convidando para o casamento. A liberdade entre os dous, a este tempo, já era grande. Por isso emquanto D. Luzia traçava sobre o papel bordado, muito flacido, as letrinhas finas, Frederico fumando remexia na estante que era a bibliotheca da casa. Elle que só cursara as primeiras letras não conhecia mais do que algumas obras recheadas de obscenidades nuas. Procurava alguma martinhada ; mas abria um livro, era A certeza do fim próximo do mundo, baseada sobre considerações philosophicas e bullas de muitos soberanos pontfiices, bem como sobre o testimunho de S. Vicente Ferrer, e sobre os signaes dos tempos em que vivemos,— resposta a uma caria d'um cura de provincia relativa a essa questão, pelo abbade Marquy, traducção do Pimentel. Abria outro, era a Direcção para