Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/92

88

FANTINA

socegar em suas duvidas as almas timoratas, pelo venerando Quadrupani Tirava um mais escondido, roido das traças e cheio de pó, e era A mulher como deveria sêl-o, pelo reverendo Marchai. Já nervoso atirava-o no meio dos outros com força. Dava uma volta pelo quarto, vinha ver outro ; era Fabiola ou a Igreja das Catacumbas. Ficou com raiva e deu um muchocho alto.

D. Luzia virou-se e perguntou o que era.

— Não acho um livro, são todos de irmã de caridade.

E abanava a cabeça com ar enfastiado.

— Pois se não gosta desses, na ultima taboa ha alguns folhetos curiosos.

Elle riu, e uma idéa luminosa passou-lhe pelo cérebro : pensou achar o Elixir do Pagé, poemeto que só conhecia de tradição, mas que adorava. No primeiro que pegou encontrou o seguinte titulo : Para que serve o Papa ? Atirou-o para traz da estante. Viu ainda outro ; era A água benta no XIX século, tudo do monsenhor Gaume.

— Nem o bispo terá tantos livros assim ! disse elle maçado.

D. Luzia olhou para elle com admiração, pois nunca