Página:Fhn-ii.djvu/13

INTRODUÇÃO

Como afirmamos no nosso primeiro volume, o objetivo de Fontes Historiae Nubiorum é apresentar as principais fontes textuais, literárias e documentais, da história da Região do Médio Nilo entre o século VIII a.C. e o século VI d.C., nos respectivos idiomas originais, bem como em novas traduções em inglês, cada uma acompanhada por um comentário histórico. Para uma declaração mais detalhada de nossos objetivos e para um relato dos antecedentes de nosso empreendimento, o leitor é remetido à nossa introdução a esse volume; neste local, apenas alguns fatos básicos de importância para o usuário serão repetidos. Além disso, seremos mais específicos do que anteriormente em alguns pontos particularmente levantados pela presente seleção de textos.

A tradução erudita e o comentário histórico são o cerne da obra, ao passo que a publicação dos próprios textos não reivindica originalidade: isto é especialmente verdadeiro para as fontes literárias. No caso do material documental - as inscrições e papiros - às vezes se mostra necessária uma política editorial mais ativa, de modo que os textos que apresentamos estejam em locais não idênticos aos de nenhuma das edições anteriores, mas o resultado de nosso escrutínio do material de que dispomos, inclusive fotos publicadas, e de nossa avaliação sobre as sugestões de estudiosos da área. O escopo da coleção é inevitavelmente limitado aos textos publicados. Lamentamos ter que omitir vários textos em várias línguas descobertos nas últimas décadas, mas infelizmente ainda proibidos para o uso geral. Além disso, omitimos deliberadamente uma série de outros textos, nomeadamente aqueles julgados como não contendo informações históricas independentes (como numerosas menções tópicas dos Blêmios na literatura grega e romana). Os nomes (títulos) e as evidências dos reinados dos governantes de Cuxe são discutidas separadamente, como fontes importantes de história política, contatos culturais e cronologia. Números em negrito entre colchetes ((67), (69) etc.) distinguem essas categorias de evidência dos textos-fonte propriamente ditos que apresentam números em negrito sem colchetes (68, 71 etc.).

Tentamos evitar o uso de termos históricos e geográficos pouco claros, idiossincráticos ou controversos em nossos comentários. "Núbia" é usada em seu sentido histórico mais amplo e não como um termo geográfico (exceto para "Núbia Superior" e "Núbia Inferior"). O termo geográfico "Região do Médio Nilo" inclui a Núbia Inferior e Superior, bem como o Sudão central e não é empregado em um significado histórico definido (cronológica ou politicamente). Os termos "Cuxe" e "Cuxita" denotam o estado indígena que surgiu após a retirada da administração provincial do Novo Império Egípcio sob