Página:Leal consselheiro.djvu/319


?J08 0 LI?.L Em todo caso que s? o?erecia per pallaura, eonte- henna, e boa pratica, lhe mostrauamos que seu serui- C,O, e boa uoontade sobre anossa e todo nosso p?ouei- to auan?auamos. Em has cousas deeonta que faziamos, sempre.auja. mos gr?tde reguardo, como per odicto senhot script fi- lhados, ou lhe prazeria, alegrandonos se as por beta tomaua E do contralto auiamos tal empacho e sentj- monto como aquel foito requeria $egredo em todo que no? mandaua era reaimente guardado; e esso medes, no que nos entendiamos que deuyamos guardar, posto q aujsados nil fossemos. Seropro husauamos delho fallar uerdade, trazende em custume se tai caso era que razem norn fosse dizer todo claramonte delhe pedir que naquell? feJto sua mercee nos ouues?e por scusado$, por. nom ihe dizer.. mos oque sabiamos, oo sobre oilo entendiamos. Ee dic?o Senhot auya por bern tai reposta, sabendo ClUe corn ella pode?iamos husar uerdadeirarnente como de,- tsyamos, e sero ella nunca $e bern poderia fa?-er. Pera todos feitos grandes e- ootras �ousas de sou seruk?o, ou boo. prazer q.ue anos ciluehesse de obrar trabalhauamos. desseer reahnente, E no? moatrat tam desposto?, per quoter, saber, e pc?der, que ajnda que nora foramos filhos., pareares, ou criados, roes quasol quer estranhos, per nossa boa maneira, e grande des- posi?om fossemoo bern amsdos e prezados, nora l?azen.- do fundamento pryncipai nan grandes uirtmJes do dict? senhot, nero das razo?es que corn el per muytas par- tes aujamos. Mesna gra?a denoe?o sealtar deos, ? per ella em nossos continuados merecimentos E todos car- re,os que nos d'?ua, nunca os per mjngua deuoontado rems?uamos, o obrauamos solarelk) seropoe omyihor que podiamos, sometendonos corn deuyda httmyldade asaua correi?om, e de quem e? m?tdau? Eposto qu� �u& encoreends, ou regianento nora fosse anosso juyzo doreits, nora nos embargaua ?.sabemio ?lue nosso