Página:Negrinha- Contos (1920).pdf/50

50 NEGRINHA

o que era. Já nos permitte aproveitar muita terra baixa em que os antigos nem por sombras plantavam um só pé de café. Mas apezar disso, um que facilitou, como eu, está sempre com a pulga atraz da orelha. Virá ? Não virá ? Deus sabe !...

Seu olhar mergulhou pela janella, numa sondagem profunda ao céo limpido.

— Hoje, por exemplo, está com geito. Este frio fino, este ar parado...

Ficou a scismar uns momentos. Depois, espantando a nuvem, murmurou :

— Não vale a pena pensar nisto. O que tem de ser lá está escripto no livro do destino.

— Livra-te dos ares !... objectei.

— Christo não entendia de lavoura, replicou, sorrindo.


E a geada veio. Não geadinha mansa, de todos os annos, mas calamitosa, geada cyclica, trazidas em ondas, da Argentina.

O sol da tarde, mortiço, dera uma luz sem luminosidade, e raios sem calor nenhum. Sol bo-