Página:Negrinha- Contos (1920).pdf/55

                O DRAMA DA GEADA   53

que eu até alli só encarára pelo prisma esthetico. tinha um reverso tragico: a ruina do heroico fazendeiro. E procurei-o, ancioso. Tinha sumido. Passara a noite em claro, disse-me a mulher; de manhã, mal clareara, fôra para a janella, e lá permanecera immovel, observando o céo atravez dos vidros. Depois, sahira, sem ao menos pedir café, como era seu costume. Andava a examinar a lavoura, provavelmente.

Devia ser isso. Mas como tardasse a voltar — onze horas, e nada — a familia entrou-se de apprehensões. Meio dia. Uma hora. duas, tres — e nada. O administrador. que a mandado da mulher, sahira a procural-o, voltou á tarde, mas sem noticias.

— Bati tudo. e nem rasto. Estou com medo d'alguma coisa... Vou espalhar gente por ahi, á cata.

D. Anna, afflicta. de mãos enclavinhadas. só dizia uma cousa:

— Que será de nós, santo Deus! Quincas é capaz duma loucura...

Puz-me em campo também, em companhia