Página:Obras completas de Luis de Camões II (1843).djvu/54


onde chegou no principio do anno de 1561. E como quem se via cercado de inimigos, e tinha exprimentado quão fragil escudo he por si só a innocencia, para captar a benevolencia do Viso-Rei Dom Constantino, cuja administração, com razão ou sem ella, havia sido censurada de alguns, lhe dirigio a Epistola que começa: Como nos vossos hombros tão constantes etc., em que, exaltando as virtudes e boas intenções deste Principe, o exhorta com o exemplo dos grandes homens (e pudera tambem juntar o seu proprio) a desprezar com animo igual as envenenadas settas da inveja e da calumnia: e a Dom Antonio de Noronha (o que depois veio a ser Viso-Rei da India, e não, como suppõe Faria e Sousa, o que foi morto em Africa) escreveo outra sobre o desconcerto do mundo.
  Neste vice-reinado chegou Luis de Camões a tal miseria, que se vio na precisão de pedir uma camisa para cobrir o corpo. Que espectaculo!
O Valor e o Saber pedindo vão
Ás portas da cubiça e da vileza!
  Todavia muito deveo a Dom Constantino, porque não foi inquietado. Mas no do Conde do Redondo Dom Francisco Coutinho, que lhe succedeo, e que se dizia amigo do poeta, e por elle havia sido louvado em umas Redondilhas, se lhe movêrão novos trabalhos, e foi lançado em tão estreita e rigorosa prisão, que nem espaço tinha para mover-se, nem ar para respirar, como consta da Canção XI, onde fallando desta perseguição, e da que havia soffrido no governo de Francisco Barreto, diz:{