Abrir menu principal

Página:Parnaso Sergipano (Volume 1).pdf/49

21
PARNASO SERGIPANO




Amo-a, quando a donzella meiga a esfolha
Em pura distração,
Ou com o pranto dos olhos seus a molha,
Abrindo o coração.

No teu album, portanto, eu quiz as flores
De laranja depor :
Synthese bella de ideaes amores,
Dos amores a flor.

E a tua mão, formosa Therezinha,
Que mil graças esbanja,
Aceite a triste, a pobre offerta minha
De flores de laranja.

IX
O Brazil

De perlas, saphyras, de mil esmeraldas,
De ricos brilhantes a fronte engrinaldas,
Gigante, orgulhoso, soberbo Brasil.
Na historia dos povos teu nome escreveste,
Mil palmas e louros, na infancia, colheste,
Colheste-os com gloria, batendo o fusil.

De lindas estrellas, de luzes brilhantes
Teu céo é bordado ; subtis, cambiantes
Destendem-se as nuvens ligeiras no ar ;
E as luas formosas de pallidos lumes,
E as flores e os dias e os gratos perfumes
São mimos, que a Europa bem pode invejar.

Teus bosques frondentes, teus campos e montes,
E os mares e os rios, regatos e fontes,
São verbos, são phrases, que dizem—valor—.
Não durmas, não tremas, nem curves o cóllo,
Que a turba, que passa por sobre o teu sólo,
São livres, são moços da edade na flor.