Abrir menu principal

Página:Parnaso Sergipano (Volume 1).pdf/62

34
SYLVIO ROMERO




«Seràs minha !» bradou, e já largando
Arco e flecha no chão,
Vai em busca da flor ;—ella corando
Fez-se então mais vermelha,
Como se acaso abelha
O caçador lhe fosse, ou um zangão.

Eis passa-lhe perto
A corça á correr ;
E o moço inexperto
Alli no deserto
Deixou de acolher.

Mas voltando atraz agora
Seu arco e flecha apanhou ;
Procura a flor que o enamora,
E de longe assim fallou :

«Já que perdi minha corça,
Uma rosa hei de apanhar ;
Levar-te-hei mesmo a força,
Que bem sei me has de picar.»

E para a flor se encaminha,
Correndo alegre e infantil :
«Roza! roza! serás minha !»
Era a rosa India gentil.

V


Amores


Espera, meu anjo, não fujas tão cedo !
Acaso tens medo
Que o mundo maldiga de ti e de mim ?
Aqui neste bosque ninguem nos espreita :