Abrir menu principal

Página:Phalenas.pdf/109

— 105 —

Algum tempo a tiverão sobre as aguas,
        Como sereia bella,
Que abraça ternamente a onda amiga.
Então, abrindo a voz harmoniosa,
Não por chorar as suas fundas mágoas,
Mas por soltar a nota deliciosa
        De uma canção antiga,
        A pobre naufragada
De alegres sons enchia os ares tristes,
Como se alli não visse a sepultura,
        Ou fosse alli creada.
Mas de subito as roupas embebidas
        Da lympha calma e pura
Levão-lhe o corpo ao fundo da corrente,
Cortando-lhe no labio a voz e o canto.
        As aguas homicidas,
Como a lage de um tumulo recente,
        Fechárão-se; e sobre ellas.
Triste emblema de dôr e de saudade,
Forão nadando as ultimas capellas.