Abrir menu principal

Página:Phalenas.pdf/191

— 187 —

Que á palmeira sacode as tenues franças.
A fronte gentilissima e engraçada
Sacudia co′a chuva as más lembranças;
E ao passo que chorava a tarde escura
Ria-se n′ella a aurora da ventura.

XL


«Que triste a tarde vai! que véo de morte
«Cobrir parece a terra! (o moço exclama),
«Reproducção fiel da minha sorte,
«Sombra e choro. — Porque? pergunta a dama;
«Diz que teve dos céos uma alma forte...
«— É forte o bronze e não resiste á chamma;
«Leu versos meus em que zombei do fado?
«lllusões de poeta mallogrado!»

XLI


«Somos todos assim. É nossa gloria
«Contra o destino oppôr alma de ferro;
«Desafiar o mal, eis nossa historia,
«E o tremendo duello é sempre um erro.
«Custa-nos caro uma fallaz victoria
«Que nem consola as mágoas do desterro,
«O desterro, — esta vida obscura e rude
«Que a dôr enfeita e as victimas illude.