Página:Ultimos Sonetos.pdf/113


VELHO


Estás morto, estás velho, estás cançado!
Como um sulco de lagrimas pungidas
Eil-as, as rugas, as indefinidas
Noites do ser vencido e fatigado.

Envolve-te o crepusculo gelado
Que vae soturno amortalhando as vidas
Ante o responso em musicas gemidas
No fundo coração dilacerado.