Abrir menu principal

Página:Ultimos Sonetos.pdf/54

48
ULTIMOS SONETOS


Ó almas presas, mudas e fechadas
Nas prisões colossaes e abandonadas,
Da Dor no calabouço atroz, funéreo!

Nesses silencios solitarios, graves,
Que chaveiro do Céo possúe as chaves
Para abrir-vos as portas do Mysterio?!