Abrir menu principal

Página:Ultimos Sonetos.pdf/81


ALMA FATIGADA


Nem dormir nem morrer na fria Eternidade!
Mas repousar um pouco e repousar um tanto,
Os olhos enxugar das convulsões do pranto,
Enxugar e sentir a ideal serenidade.

A graça do consolo e da tranquillidade
De um céo de carinhoso e perfumado encanto,
Mas sem nenhum carnal e mórbido quebranto,
Sem o tedio senil da vã perpertuidade.