Abrir menu principal
Sepultura d'um poeta maldito
de Charles Baudelaire e tradução de Delfim Guimarães
Poema publicado em As Flores do Mal


Se, em noite horrorosa, escura,
Um cristão, por piedade,
te conceder sepultura
Nas ruínas d'alguma herdade,

As aranhas hão de armar
No teu coval suas teias,
E nêle irão procrear
Víboras e centopeias.

E sobre a tua cabeça,
A impedi-la que adormeça.
- Em constantes comoções,

Has de ouvir lobos uivar,
Das bruxas o praguejar,
E os conluios dos ladrões.