Abrir menu principal

Vida e Feitos D' El-Rey Dom João Segundo/LXXI

Vida e Feitos D' El-Rey Dom João Segundo por Garcia de Resende
De como foy desbaratado e preso o alcaide d' Alcacer Quebir por ho conde de Borba e de seu resgate


Neste ãno de quatrocentos e oytenta e oyto estando o conde de Borba Dom Vasco Coutinho degradado em Arzilla, fez hũa entrada em terra de mouros sobre hum ardil que hum mouro lhe tinha dado falsamente em que o conde hia vendido, e levava comsigo setenta de cavallo em que entravam fidalgos e bons cavaleiros; e depois de serem entrados e sentidos, tornando pera a vila sem fazerem cousa algũa e vindo muyto cansados e descontentes acharam antre si e a vila o alcaide d' Alcacer Quebir homem de grande poder e muyta estima antre os mouros, e muyto bom cavaleyro e contino guerreyro. E trazia consigo quinhentas e cincoenta lanças muy escolheitas com tençam de nam escapar o conde nem algum dos seus. E o conde tanto que ouve vista delle a primeira cousa que fez, foy esconder a bandeira, por os mouros cuydarem que detras vinha mays gente com ella. E acolheo-se a hum pequeno cabeço, e alli cerrados todos lhe fez hũa fala com muito esforço como muy valente cavaleyro que era, dizendo-lhe que outro remedio nam tinham em suas vidas senam em pelejarem esforçadamente, porque se o assi nam fezessem hum e hum os tomariam às mãos, e que fazendo elles como cavaleyros, Nosso Senhor daria sua ajuda, o que todos determinaram de fazer até morrer. E os mouros em chegando a elles o conde com todos deu tam rijamente nelles, que daquelle primeyro encontro mataram cincoenta mazaganis, homens principaes em que entravam dous sobrinhos do alcaide, e o alcaide foy muyto ferido e preso. E os mouros vendo quam esforçadamente pellejaram, e vendo os mortos cuydando que o alcaide era tambem morto, e parecendo-lhe por nam verem bandeira que ficava detras mais gente esteveram quedos sem ousarem de mais pellejar. E o conde vendo a grande merce que Deos he fezera a quis segurar, e tomando o despojo dos mortos levando o alcaide escondido, começou com sua batalha muy cerrada de andar pera a villa com muyto tento, e os mouros hiam apos elle sem ousarem de o cometer nem se determinarem por nam terem capitam. E o conde tanto que lhe pareceo que era em salvo tendo passado o Rio Doce mandou alçar sua bandeira. E quando os mouros viram que nam era mais gente que aquella, ficaram de todo mortos por tamanha mingoa passar por elles, e tam poucos christãos os desbaratarem e levarem preso seu capitam. E ho alcayde quando vio a bandeyra perguntou ao conde por sua gente e elle lhe disse: "Sabe, alcaide, que nam trouxe mais que estes poucos, e com estes te desbaratey e captivey"; e ho alcayde ficando muyto triste e maravilhado disse-lhe: "Conde, Deos foy oje christão, outro dia sera mouro". E na pelleja nam morreo christão algum, e assi com muyta honrra, muito prazer e contentamento entrou ho conde com o alcayde em Arzilla, onde todos cuydavam que nam escapasse christão algum de preso ou captivo.

Escreveo logo o conde a el-rey esta nova, ha qual chegou em Avis, de que el-rey teve muyto contentamento; e por este tam honrrado feyto fez logo merce ao dito conde da capitania d' Arzilla, que ora tem seu filho o conde Dom Joam Cautinho. E sobre o resgate do alcaide, mandou el-rey a Arzila Joam Garces escrivam de sua Fazenda com poderes; e com o conde resgataram o alcaide em quinze mil dobras de banda e dez cativos christãos e vinte cavalos bons; e o alcaide deixou logo por si dezoito mouros pesoas principaes sobre os quaes foy solto, e elles ficaram cativos até se acabar de pagar o dito resgate. E ao conde alem da merce mandou el-rey muytos agradecimentos com muitas palavras de contentamento; e assi aos que com ele foram como tal feyto merecia e ao que trouxe a nova fez muita merce.