Abrir menu principal

Aclamação do infante D. Miguel como rei de Portugal

Aclamação do infante D. Miguel, como rei de Portugal


No ano do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, de mil oitocentos e vinte oito, em os 18 dias do mês de Maio do dito ano, nesta cidade de Angra da ilha Terceira, e na sala as Câmara da mesma cidade, onde se achavam juntos em vereação extraordinária o ministro dr. juiz de fora, presidente, vereadores, procurador do concelho, e mais oficiais da mesma Câmara, juntamente presentes as três classes dos cidadãos desta mesma cidade, também abaixo assinados, se procedeu pelo modo e maneira seguinte.

Nesta vereação reunida, em consequência da deliberação tornada no dia de ontem em auto de vereação extraordinária pala deliberar sobre as medidas que convinham adoptar para dirigir o espírito público dos habitantes desta dita cidade, que com o maior entusiasmo se dispunham a aclamar o senhor D. Miguel I o rei de Portugal, Algarves e seus domínios, à imitação do que se tem praticado em muitas outras cidades do mesmo reino de Portugal desde o dia 25 de Abril próximo passado: aconteceu que, achando-se já reunida a referida Câmara para entrar na mencionada deliberação, os povos que em grande número se achavam reunidos na praça pública, onde existe o edifício do mesmo senado unanimemente, e sem esperar tal deliberação rompeu nos mais inflamados vivas ao senhor D. Miguel I, rei de Portugal, Algarves e seus domínios, no que gostosamente apareceu conforme a mesma Câmara: a nobreza, clero e povo, que se achavam reunidos dentro no edifício, e que reconheceram ociosa semelhante deliberação tornando-se portanto este auto de vereação em um verdadeiro auto de aclamação do referido senhor, o Muito Alto e Poderoso D. Miguel I, Rei de Portugal, Algarves e seus domínios, pelo perfeito conhecimento que tem toda esta cidade, e jurisdição que ele é o nosso único e legítimo Rei natural, depois do falecimento d’el-rei o senhor D. João VI de gloriosa memória. E logo na mesma vereação se deliberou se enviasse a Sua Majestade uma deputação composta de três pessoas da nobreza desta mesma cidade para fazer presente ao mesmo Augusto Senhor os votos de todo o povo desta leal cidade; e nomearam para este fim os dois comendadores João Pereira Sarmento Forjaz de Lacerda e José Teodósio de Bettencourt, a quem se enviará cópia autêntica deste para lhes servir de procuração de tão honrosa comissão, e logo se deu por findo este auto. E apareceu a Câmara, na janela da sala da mesma, para dar os competentes vivas de tão feliz acontecimento; e assinaram o presente auto o sobredito presidente e mais oficiais da referida Câmara, e pessoas presentes perante mim, Manuel José Borges da Costa, escrivão proprietário da Câmara o escrevi.[1]

NotasEditar

  1. Neste ponto, o texto em Anais da Ilha Terceira é interrompido pela nota — (Seguiam-se muitas assinaturas.)