Abrir menu principal
Ainda pela montanha
por Luís Delfino
Publicada em Rosas Negras.


Quero que tu nesta montanha gozes
De um retiro, que visto ida não tinhas:
Ali há um vale, e há uma gruta... adivinhas:
É o sítio augusto das metamorfoses.

Não sai como um ferver de surdas vozes
Por onde pões os pés, quando caminhas?
Fazem cousas (que horror!) estas florinhas...
Não têm vergonha estes moitais ferozes...

Arregaçam a túnica sem pejo:
Ais... pequeninos ais... beijo e mais beijo!...
E este motim é desde a madrugada.

Pã... não vês a correr? não vens de ouvi-lo?
Ora... vai indo, não é nada aquilo:
É atrás de um gemido uma risada...