Abrir menu principal

Archivo nobiliarchico brasileiro/Carvalho (Dr. Carlos Dias Delgado de)

Archivo nobiliarchico brasileiro
José Smith de Vasconcelos e Rodolfo Smith de Vasconcelos
Carvalho (Dr. Carlos Dias Delgado de)


CARVALHO. (D.r Carlos Dias Delgado de).

Nasceu em S. Domingos, Nictheroy, a 30 de Janeiro de 1854.

Falleceu em Montreux, na Suissa, em 1 de Maio de 1915.

Filho do Major José Dias Delgado de Carvalho, natural de Araruama, Provincia do Rio de Janeiro, onde nasceu a 12 de Julho de 1825 e falleceu, no Rio de Janeiro, a 7 de Novembro de 1896, tendo casado a 5 de Fevereiro de 1853, com D. Maria Carlota de Azevedo Torres, nascida a 7 de Setembro de 1834 e fallecida em 29 de Desembro de 1892. Neto por parte paterna do Coronel Francisco Dias Delgado (1764-1829) e de D. Maria Columna de Carvalha (1794-1866). Neto pelo lado materno de Joaquim José Rodrigues Torres, Visconde de Itaborahy, e de sua mulher D. Maria Alvares de Azevedo Macedo, filha de João Alvares de Azevedo, casado com sua prima D. Maria de Macedo Freire, de Azevedo Coutinho, que era filha do Sargento-Mór, e Mestre de Campo Alexandre Alvares de Azevedo e de D. Anna Maria Joaquina de Lemos Duque Estrada.

Casou em primeiras nupcias com D. Lydia Tourinho, que nasceu a 3 de Agosto de 1855 e falleceu em Paris a 8 de Maio de 1884; e em segundas nupcias, em 21 de Outubro de 1889, com D. Luisa Marcondes Neves, nascida no Rio de Janeiro a 3 de Janeiro de 1870, que reside em Territet, Suissa, filha de José Ferreira Neves e de D. Candida Marcondes; neta por parte paterna de Antonio Ferreira Neves e de D. Luisa Pereira da Costa e pelo lado materno de Francisco Machado Marcondes e de D. Maria dos Remedios Marcondes.

Doutor em Medicina pela Faculdade do Rio de Janeiro, formado em 1875. Abandonando a carreira de Medicina, dedicou-se á diplomacia, sendo nomeado em 1880, addido de 1ª classe para a Legação de S. Petersburgo; serviu na de Lisboa em 1881, na de Paris em 1882 passando por ultimo em 1886, para a de Bruxellas, onde permaneceu até a queda do Imperio.

Era Moço Fidalgo com exercicio na Casa Imperial (1887); Commendador da Ordem de Christo, de Portugal (1 de Outubro de 1885); Cavalleiro da Legião de Honra (25 de Janeiro de 1887); Cavalleiro da O. de Leopoldo, da Belgica (22 de Janeiro de 1891).

BRAZÃO DE ARMAS: Escudo partido em pala: na primeira em campo de oiro, uma aguia de negro aberta e coroada da mesma côr; na segunda de azul, tres bandas de oiro carregadas de sete arminhos negros, tres na primeira e dois em cada uma das outras. E por differenca uma brica azul com uma estrella de prata, de cinco pontas. Timbre: o dos Duque Estradas, que é a aguia das armas. Divisa: Plus bault. Elmo de prata guarnecido de oiro. Paquife: dos metaes e das côres do brazão (Brazão passado ao D.r Paulo da Motta Duque Estrada, em 11 de Maio de 1766. Reg. no Cartorio da Nobreza, Liv. I, fls. 38v).