Abrir menu principal

Archivo nobiliarchico brasileiro/Homem de Mello (Barão de)

Archivo nobiliarchico brasileiro
José Smith de Vasconcelos e Rodolfo Smith de Vasconcelos
Homem de Mello (Barão de)


HOMEM DE MELLO. (Barão de) Francisco Ignacio Marcondes Homem de Mello.

Nasceu em Pindamonhangaba, S. Paulo, em 1 de Maio de 1837. Reside no Rio de Janeiro.

Filho dos 2os Barões de Pindamonhangaba, Francisco Marcondes Homem de Mello e de sua 1ª mulher e prima D. Anna Francisca de Mello, que era filha do Capitão-Mór Francisco Homem de Mello e de sua mulher D. Maria Francisca Guimarães; e neto paterno do Capitão-Mór José Homem de Mello e de sua mulher D. Maria Marcondes de Andrade.

Casou em 1857, em primeiras com D. Maria Joaquina Marcondes Ribas, fallecida no Rio de Janeiro, em 1904, filha do Capitão da Guarda de Honra do D. Pedro I, Candido Marcondes Ribas e de sua mulher D. Anna Rosa Marcondes Ribas; e em segundas nupcias com D.... 2ª Baroneza Homem de Mello.

Fez o curso de humanidades no Seminario Episcopal de Marianna e formou-se em direito na Academia de S. Paulo em 1858. Foi Presidente da Camara Municipal de Pindamonhangaba em 1860; Professor do Collegio D. Pedro II em 1861, do Collegio Militar desde a sua fundação e da Escola Nacional de Bellas Artes.

Foi Presidente das Provincias, de S. Paulo em 1861, do Ceará em 1865, do Rio Grande do Sul em 1867 e da Bahia em 1874; Inspector da Instrucção Publica do Municipio da Côrte de 1873 a 1878; Director do Banco do Brasil; e Presidente da Directoria que levou a effeito a construcção da Estrada de Ferro de S. Paulo e Rio de Janeiro.

Foi Ministro do Imperio no 28º Gabinete de 28 de Março de 1880, e representou sua Provincia natal na 17ª legislatura de 1878 a 1881.

Do Conselho de S. M. o Imperador, Veador da Casa Imperial, Dignitario da I. Ordem da Rosa, é socio Benemerito do Instituto Historico e Geographico Brasileiro, admittido em 1859, e pertence a grande numero de Associações scientificas e litterarias.

BRAZÃO DE ARMAS: Em campo azul, seis crescentes de lua de oiro, em duas palas. Timbre: um leão azul armado de oiro com uma alabarda nas garras, cabo de oiro e o ferro de sua côr.

CORÔA: A de Barão.

CREAÇÃO DO TITULO: Barão por decreto de 4 de Julho de 1877.