Abrir menu principal

Archivo nobiliarchico brasileiro/Ivinhema (Barão de)

Archivo nobiliarchico brasileiro
José Smith de Vasconcelos e Rodolfo Smith de Vasconcelos
Ivinhema (Barão de)


IVINHEIMA. (Barão de) Francisco Pereira Pinto.

Nasceu no Rio de Janeiro, em 23 de Maio de 1817.

Falleceu nessa cidade em 7 de Maio de 1911.

Filho de José Pereira Pinto e de sua mulher D. Maria Genoveva Souto Maior Pereira Pinto.

Casou com D. Francisca Eulalia Gavião Pereira Pinto, filha do Brigadeiro Bernardo José Pinto Gavião Peixoto, e de sua mulher D. Anna Policena de Vasconcellos.

Sentou praça de Guarda Marinha em 26 de Abril de 1826, partindo para a Inglaterra onde aperfeiçoou seus estudos. Regressando em 1831, matriculou-se na Academia de Marinha e concluio o respectivo curso em 1834. Como Segundo Tenente fez a campanha do Rio Grande do Sul commandando o Patacho Dois Irmãos, em 1839 foi a S. Catharina commandando a força naval contra os rebeldes que invadiram a Villa de Laguna. Em 1842 foi a Napoles na Embaixada que transportou ao Brasil S. M. a Imperatriz. Commandante do Corpo de Imperiaes Marinheiros em 1856 e da Estação Naval do Rio de Janeiro em 1859.

Chefe do Estade Maior General da Esquadra que acompanhou S. Magestade ás Provincias do Norte. Fez a campanha do Paraguay tomando parte no assedio de Paysandú. Foi Director da Escola de Marinha em 1865, Commandante em Chefe das Forças Navaes no Paraguay, em 1870, Director do Arsenal de Marinha da Côrte, Ministro Effectivo do Conselho Naval, Chefe de Esquadra em 1876, Vice-Almirante em 1883, Inspector do Arsenal de Marinha e Ministro do Supremo Tribunal Militar.

Era do Conselho de S. Magestade, Conselheiro de Guerra, Moço Fidalgo com exercicio na Casa Imperial, Grã-Cruz da Imperial Ordem de S. Bento de Aviz, Commendador da Imperial Ordem de Christo, Grã-Cruz da Real e Militar Ordem de S. Bento de Aviz, de Portugal, da Corôa de Italia e Commendador da Imperial Ordem de Francisco José de Austria, etc.

Tinha a medalha Geral da Campanha do Paraguay, com passador de oiro e a do Estado Oriental.

BRAZÃO DE ARMAS: Escudo partido em pala: na primeira as armas dos Pereiras, — em campo vermelho uma cruz florida de prata e aberta do campo; na segunda, as armas dos Pintos, — em campo de prata cinco crescentes de lua vermelhos em santor; e por differença uma brica de oiro com uma contrabanda azul. Timbre: o dos Pereiras, uma cruz vermelha florida, entre duas azas de oiro abertas.

CORÔA: A de Barão.

CREAÇÃO DU TITULO: Barão por decreto de 27 de Agosto de 1873.