Abrir menu principal

Archivo nobiliarchico brasileiro/Japurá (Barão de)

Archivo nobiliarchico brasileiro
José Smith de Vasconcelos e Rodolfo Smith de Vasconcelos
Japurá (Barão de)


JAPURÁ. (Barão de) Miguel Maria Lisboa. Nasceu no Rio de Janeiro, em 22 de Maio de 1809.

Falleceu em Lisboa, em 28 de Abril de 1881.

Filho do Conselheiro José Antonio Lisboa, fallecido em 29 de Julho de 1850,

e de D. Maria Euphrasia de Lima, sua mulher. Era irmão do Marquez de Tamandaré.

Casou com D. Maria Izabel de Andrade Lisboa, que assistiu aos ultimos momentos de S. M. a Imperatriz, na cidade do Porto; filha do Conselheiro João de Andrade Pinto e de sua mulher D. Maria José de Andrade Paiva, que eram Paes da Marqueza de Acapulco.

Seguio a carreira diplomatica; aos 19 annos de idade era addido de Legação, em Londres, e consagrou perto de 50 annos ao serviço da patria em diversas e longinquas terras.

Nomeado Enviado Extraordinario e Ministro Plenipotenciario em Lisboa, em 1866, ahi falleceu.

Graduado com o diploma de Artium Magister, pela Universidade de Edimburgo, era socio de varias associações scientificas e litterarias.

Do Conselho de S. Magestade, Veador de S. M. a Imperatriz, era Grande Dignitario da I. Ordem da Rosa, Commendador da I. Ordem de Christo, Grã-Cruz das Ordens de Villa Viçosa, de Portugal e de Christo, da Ernestina da Casa Ducal de Saxe, etc.

BRAZÃO DE ARMAS: Escudo esquartelado: no primeiro quartel, as armas dos Ribeiros, — de oiro, com tres faxas verdes; no segundo, as armas do Soares de Oliveira, — de azul com uma aspa de prata entre quatro flôres de liz de oiro; no terceiro, as armas dos Limas, — um escudo dividido em tres palas, na primeira as armas dos Aragão, — de oiro, quatro barras vermelhas, e nas duas outras palas, o escudo esquartelado dos Silvas; em campo de prata, um leão de purpura armado de azul, com o de Souto-Maior, que e, em campo de prata enxequetado de oiro e vermelho, de tres peças em pala; no quarto quartel, as armas dos Paes — em campo de prata, nove lisonjas em tres palas enxequetadas de azul e vermelho. Timbre: dos Oliveiras, a aspa de prata e flôr de liz de oiro das armas, e por differença um castello de prata em campo azul. (Brazão passado em 20 de Agosto do 1848. Reg. no Cartorio da Nobreza, Liv. VI, fls. 7).

CORÔA: A de Barão.

CREAÇÃO DO TITULO: Barão por decreto de 17 de julho de 1872.