Abrir menu principal

Archivo nobiliarchico brasileiro/Limeira (Barão da)

Archivo nobiliarchico brasileiro
José Smith de Vasconcelos e Rodolfo Smith de Vasconcelos
Limeira (Barão da)


LIMEIRA. (Barão da) Vicente de Souza Queiroz.

Nasceu na Capital da Provincia de S. Paulo, a 6 de Março de 1813.

Falleceu em Baependy, na Provincia de Minas Geraes, em 6 de Setembro de 1872.

Filho do Brigadeiro Luiz Antonio de Souza, fidalgo com brazão d′armas, e de sua mulher D. Genebra de Barros Leite, filha do Capitão Antonio de Barros Penteado, e de sua mulher D. Maria de Paula Machado.

Casou com D. Francisca de Paula Souza Queiroz, sua prima, filha do Conselheiro Senador Francisco de Paula Souza e Mello, e de sua mulher D. Maria de Barros, que era filha do 1º Barão de Piracicaba. Era irmão da Marqueza de Valença, e do Barão de Souza Queiroz.

Vereador da Camara Municipal da Capital de S. Paulo, realisou importantes melhoramentos, que muito contribuiram para o desenvolvimento desta Capital. Foi nomeado em 1850, Presidente da Provincia de S. Paulo, cargo este que recusou. Durante a guerra do Paraguay, equipou e armou seis soldados, que offereceu ao Governo.

BRAZÃO DE ARMAS: Escudo esquartelado: no primeiro as armas dos Souzas do Prado, que são esquarteladas, tendo no primeiro e quarto as Quinas de Portugal sem a orla dos castellos, e no segundo e terceiro, as armas de Leão: em campo de prata um leão rompente de vermelho; no segundo quartel as armas dos Macedos, que são: em campo azul cinco estrellas de oiro de cinco pontas, em santor; no terceiro as armas dos Teixeiras, que são: em campo azul uma cruz de oiro potentea e vasia do campo; no quarto quartel as armas dos Queirozes. que são esquarteladas, o primeiro de oiro com seis crescentes de lua de vermelho, em duas palas, o segundo de prata com um leão de purpura, e assim os contrarios. Timbre: o dos Souzas do Prado, um leão rompente de oiro e vermelho com uma grinalda florida de verde, e por differença uma brica encarnada com um farpão de oiro. (Brazão passado em 5 de Fevereiro de 1818. Reg. no Cartorio da Nobreza, Liv. 1, fls. 80).

CORÔA: A de Barão.

CREAÇÃO DO TITULO: Barão por decreto de 1 de Fevereiro de 1867.