As Pesquisas de Moisés

As Pesquisas de Moisés
por Humberto de Campos
Conto publicado em Grãos de Mostarda


(Jules Moy)

Moisés tem uma linda mulher.

É a opinião de Moisés.

É essa, também, a opinião dos amigos de Moisés.

Rebeca, esposa de Moisés, não é orgulhosa.

Somado tudo, Rebeca não procura senão ver todo o mundo contente, e contenta a todo o mundo. Não sabe recusar nada a ninguém.

Um a um, os amigos de Moisés aproveitam-se dessa circunstância, e fazem a Rebeca uma corte que é levada, sempre, aos derradeiros limites.

Certo dia Rebeca recebe em casa o tenente Bigorneau, afamado pelas suas conquistas mundanas e pela sua bravura. A conversa vai logo às últimas intimidades. No meio da palestra, ouvem-se passos.

— Céus! Meu marido! — exclama Rebeca, que conhece os seus clássicos.

Rebeca esconde rapidamente o tenente Bigorneau, que se deixa conduzir, em um armário da sala.

Moisés aparece, e troveja, exasperado:

— Teu amante está aqui!... Eu sei... Onde está ele?... Vou matá-lo!

Rebeca, com calma, responde:

— Não grites, homem! Se tu sabes que eu tenho um amante, procura-o tu mesmo.

Moisés começa a procurar pelo quarto. Levanta as cortinas. Abre as malas e, até, as gavetas, que não têm mais de trinta e cinco centímetros de comprimento. Após cada pesquisa, exclama:

— Aqui não está!

Enfim, chega diante do armário grande. Abre-o, e vê o tenente Bigorneau em toda a sua estatura. Bigorneau está com cara de poucos amigos. À mão, brilha-lhe a espada, disposto a tudo.

Moisés olha com atenção o oficial, e, em seguida, fechando o armário com violência:

— Aqui, também, não está!